A Igreja é uma só para todos e não pode ser “privatizada”, diz o Papa

Papa Francisco. Foto: Grupo ACI

VATICANO, 25 Set. 13 / 01:37 pm (ACI/EWTN Noticias).- Na Audiência Geral de hoje, diante da multidão reunida na Praça de São Pedro, o Papa Francisco assinalou que “a Igreja é uma só para todos” e pediu que os fiéis não sejam daqueles que “privatizam a Igreja para o próprio grupo”.

O Santo Padre disse que “a Igreja é uma só para todos. Não há uma Igreja para os europeus, uma para os africanos, uma para os americanos, uma para os asiáticos, uma para os que vivem na Oceania, não, é a mesma em qualquer lugar. É como em uma família: se pode estar distante, espalhado pelo mundo, mas as ligações profundas que unem todos os membros da família permanecem firmes qualquer que seja a distância”.

O Papa recordou “a experiência da Jornada Mundial da Juventude, no Rio de Janeiro: naquela vasta multidão de jovens na praia de Copacabana, ouvia-se falar tantas línguas, viam-se traços da face muito diversificada deles, encontravam-se culturas diferentes”.

“E, no entanto, havia uma profunda unidade, se formava a única Igreja, estava-se unido e se sentia isso”.

“Perguntemo-nos todos: eu, como católico, sinto esta unidade? Eu como católico vivo esta unidade da Igreja? Ou não me interessa, porque estou fechado no meu pequeno grupo ou em mim mesmo? Sou daqueles que ‘privatizam’ a Igreja pelo próprio grupo, a própria nação, os próprios amigos?”.

Francisco exortou a questionar-se se “quando ouço que tantos cristãos no mundo sofrem, sou indiferente ou é como se sofresse um da minha família?… Rezamos uns pelos outros?… É importante olhar para fora do próprio recinto, sentir-se Igreja, única família de Deus!”.

O Santo Padre advertiu que “uma das coisas que mais causam desunião na Igreja é a fofoca”.

“Um cristão não pode ser fofoqueiro. Um cristão antes de fofocar deve morder a língua!”.

Por isso, disse o Papa, deve-se “fomentar sempre a comunhão em todos os âmbitos da vida para crescer na unidade que Deus nos dá, e também para favorecer o caminho ecumênico”.

“E, como esta unidade não é fruto de consensos humanos, mas é obra do verdadeiro artífice, o Espírito Santo, temos que pedi-la com perseverança naoração“.

(Fonte: ACI Digital)

Deixe uma resposta