Devoção à Nossa Senhora de Guadalupe se estende pela Argentina

Buenos Aires – Argentina (Quinta-feira, 05-12-2013, Gaudium Press) A Paróquia de San Juan Diego Cuauhtlatoatzin, em Buenos Aires, recebeu um presente especial recentemente com a chegada de uma réplica digital da imagem da Virgem de Guadalupe enviada do México pelo movimento católico “União de Vontades”, que promove a devoção guadalupana no país latino-americano.nossa_senhora_de_guadalupe.jpg

A imagem, que foi recebida pelo Padre Cacho Casabal, foi entregue por um casal, que comentou: “Para nós, sermos embaixadores da ‘Morenita’ é uma grande bênção (…) Vimos com prazer que os argentinos têm um grande amor por Nossa Senhora de Guadalupe”.

Tal é o carinho que se tem por Nossa Senhora de Guadalupe na capital Argentina, que já está sendo construído um segundo templo dedicado ao santo indígena mexicano; um edifício que, segundo mencionado pelo Sistema de Informação da Arquidiocese do México (SIAME), é realizado à pedido do Santo Padre Francisco.

Foi o próprio Papa, quando era Arcebispo de Buenos Aires, que dirigiu em 2007 a construção da paróquia de San Juan Diego, que hoje conta com uma réplica digital da guadalupana, e entre os seus trabalhos pastorais conta com o Centro Missionário San Juan Diego, sob a responsabilidade da Pastoral da Juventude, onde se adiantam atividades para prevenir o consumo de drogas pela juventude.

Conforme destaca a SIAME, inicialmente esta igreja foi concebida como uma construção simples, com poucos metros quadrados, mas a pedido do próprio Cardeal Jorge Mario Bergoglio, se decidiu substituir o templo por um outro maior, projetado como um dos santuários mais representativas de Buenos Aires.

Prevê-se que a nova construção esteja finalizada dentro de um ano com o apoio da Igreja Diocesana. (GPE/EPC)

Com informações da SIAME.

(http://www.gaudiumpress.org/content/53648#ixzz2mgn9BAT6)

A “Lista de Schindler” do papa Bergoglio

Descoberta de jornalista italiano: o então provincial dos jesuítas salvou uma centena de pessoas

Por Sergio Mora

ROMA, 10 de Setembro de 2013 (Zenit.org) – Seu nome é Nello Scavo. É jornalista e cronista do jornal Avvenire, da Conferência Episcopal Italiana.

Quando Francisco foi eleito pontífice, levantaram-se algumas vozes que o acusavam de cumplicidade com a ditadura argentina, calúnias que, pouco depois, foram desmentidas por pessoas que tinham conhecido Bergoglio e que sabiam como as coisas realmente tinham acontecido.

Entre elas, o Nobel da Paz argentino Pérez Esquivel, defensor dos direitos humanos considerado como um homem acima de qualquer suspeita em seu país, e a advogada Alicia Oliveira, secretária de Direitos Humanos da chancelaria argentina em tempos do ministro Rafael Bielsa e do presidente Néstor Kirchner. A campanha contra o papa Francisco chegou ao cume (e ao cúmulo) com uma foto falsa, uma montagem na qual Bergoglio aparecia supostamente dando a comunhão ao ditador e ex-chefe da junta militar do país, Rafael Videla.

Assim que escutou todas essas acusações, o jornalista italiano começou a investigá-las. Nello entrou em contato com pessoas a quem o então superior provincial dos jesuítas, Bergoglio, tinha ajudado a fugir da ditadura. Eram cerca de 20 pessoas, cujos testemunhos levam a calcular que a lista de pessoas salvas pelo atual papa cheguem a cem. O livro “A lista de Bergoglio”, com lançamento previsto na Itália para o fim deste mês, recopila as suas histórias.

O jornal La Provincia, da cidade italiana de Como, onde vive o cronista de Avvenire, informa: “Ana e Sergio estão na Itália há 30 anos, desde que conseguiram escapar das torturas e da perseguição da ditadura argentina graças à ajuda do papa Francisco. Jorge Mario Bergoglio agiu como Oscar Schindler, o empresário que salvou centenas de judeus dos nazistas”.

Com a permissão do editor para investigar o caso, Nello começou a entrevistar pessoas e viu surgirem aos poucos novos testemunhos.

“O papa talvez não vá confirmar nunca, mas descobrimos que naquela época ele tinha criado uma rede de solidariedade para salvar os dissidentes e perseguidos, uma corrente em que cada elo não sabia do outro”.

A investigação não foi fácil, porque muitos amigos de Bergoglio não contaram quase nada sobre as pessoas salvas pelo papa e porque o então provincial dos jesuítas nunca se vangloriou da sua obra humanitária.

O cronista italiano indica dois motivos para essa discrição. O primeiro, contado por um amigo de Bergoglio: “O papa não quer espetáculos de marketing em volta da imagem dele”. E o segundo, deduzido pelo autor: “Por causa da dor diante de tudo o que aconteceu naqueles anos, em particular pelos desaparecidos, pelas crianças arrancadas das mães assassinadas, pelas torturas…”. Para Bergoglio, “ter salvado alguém não é nada diante da dor dessas pessoas”.

Os relatos de Nello evocam de alguma forma o dia 10 de abril deste ano, em que Francisco enviou uma carta à Associação das Mães de Praça de Maio, assinada pelo número dois do equivalente ao ministério de Assuntos Exteriores do Vaticano: “O santo padre participa da sua dor e da de tantas mães e familiares que padeceram e padecem a perda trágica de entes queridos naqueles momentos da história argentina”.

Uma das testemunhas, um homem que não era batizado nem crente e que na época trabalhava em uma revista, declara: “Bergoglio me protegeu, e, graças aos jesuítas, eu consegui escapar, primeiro para o Uruguai e depois para o Brasil”. Finalmente, ele zarpou “num barco mercante para a Itália”.

(Fonte: Agência Zenit)

I Congresso Mundial do Movimento Eucarístico Juvenil

I Congresso Mundial do Movimento Eucarístico Juvenil será na Argentina

Buenos Aires (Terça-feira, 11-09-2012, Gaudium Press) De 17 a 24 de setembro será realizado em Buenos Aires, Argentina, o I Congresso Mundial do Movimento Eucarístico Juvenil.

Cerca de 210 delegados de 32 países deverão estar presente a esta reunião.

O Movimento Eucarístico Juvenil é uma associação internacional da Igreja para a formação cristã de crianças e jovens. A agremiação procura ensiná-los a viver segundo o caminho e os ensinamentos de Jesus através da experiência de oração, da Eucaristia e da Palavra de Deus, levando-os a uma vida de serviço, atentos às exigências do mundo de hoje.

O objetivo do deste Encontro Mundial é aprofundar a espiritualidade comum ao movimento.

O Movimento Eucarístico Juvenil era conhecido como “Cruzada Eucarística”. Depois de 98 anos de fundado, esta será a primeira vez em que se encontram os delegados de todo o mundo. (JSG)

Fonte: Gaudium Press