Francisco pede rezar para que os Bispos, os Cardeais e o Papa “sejamos bons servidores, não bons patrões”

Papa Francisco. Foto: Grupo ACI

VATICANO, 23 Fev. 14 / 07:08 pm (ACI/EWTN Noticias).- Em suas palavras anteriores à oração do Ângelus hoje, ante os milhares de fiéis congregados na Praça de São Pedro, o Papa Francisco pediu orações para que tanto osBispos, como os cardeais e o Papa sejam “bons ‘servidores’, não bons ‘patrões’”.

O Santo Padre indicou que “na Segunda Leitura deste domingo, São Paulo afirma: ‘Ninguém ponha sua glória em homem algum. Com efeito, tudo vos pertence: Paulo, Apolo, Cefas (isso é, Pedro), o mundo, a vida, a morte, o presente, o futuro; tudo é vosso, mas vós sois de Cristo, e Cristo é de Deus’”.

“Por que o Apóstolo diz isso? Porque o problema ao qual o Apóstolo se encontra diante é aquele das divisões na comunidade de Corinto, onde se havia formado grupos que se referiam aos vários pregadores considerando-os seus chefes; diziam: ‘Eu sou de Paulo, eu sou de Apolo, eu sou de Cefas…’”.

O Papa assinalou que “São Paulo explica que este modo de pensar é errado, porque a comunidade não pertence aos apóstolos, mas são eles – os apóstolos – que pertencem à comunidade; porém, a comunidade, inteira, pertence a Cristo!”.

“Desta pertença, deriva que nas comunidades cristãs – dioceses, paróquias, associações, movimentos – as diferenças não podem contradizer o fato de que todos, pelo Batismo, temos a mesma dignidade: todos, em Jesus Cristo, somos filhos de Deus”.

Francisco destacou que “aqueles que receberam um ministério de guia, de pregação, de administrar os Sacramentos não devem se considerar proprietários de poderes especiais, patrões, mas se colocar a serviço da comunidade, ajudando-a a percorrer com alegria o caminho da santidade”.

“A Igreja hoje confia o testemunho desse estilo de vida pastoral aos novos cardeais, com os quais celebrei esta manhã a Santa Missa”.

Depois de pedir uma saudação aos novos Cardeais com um aplauso, o Santo Padre recordou que “o consistório de ontem a celebração eucarística de hoje nos ofereceram uma ocasião preciosa para experimentar a catolicidade, a universalidade da Igreja, bem representada pela variada proveniência dos membros do Colégio Cardinalício, recebidos em estreita comunhão em torno do Sucessor de Pedro”.

“E que o Senhor nos dê a graça de trabalhar pela unidade da Igreja, de construir esta unidade, porque a unidade é mais importante que os conflitos! A unidade da Igreja é de Cristo, os conflitos são problemas que não são sempre de Cristo…”

“Os momentos litúrgicos e de festa, que tivemos a oportunidade de viver ao longo dos dois últimos dias, reforcem em todos nós a fé, o amor por Cristo e pela sua Igreja!”.

O Papa pediu aos fiéis “apoiar estes Pastores e a auxiliá-los com a oração, a fim de que guiem sempre com zelo o povo que lhes foi confiado, mostrando a todos a ternura e o amor do Senhor”.

“Mas quanta necessidade de oração tem um bispo, um cardeal, um Papa, a fim de que possa ajudar a seguir adiante o Povo de Deus! Digo ‘ajudar’, isso é, servir o Povo de Deus”.

A vocação do Bispo, do Cardeal e do Papa, indicou, é “ser servidor, servir em nome de Cristo”.

“Rezem por nós, para que sejamos bons servidores: bons servidores, não bons patrões!”.

“Todos juntos, bispos, presbíteros, pessoas consagradas e fiéis leigos devemos oferecer o testemunho de uma Igreja fiel a Cristo, animada pelo desejo de servir os irmãos e pronta a ir ao encontro com coragem profética às expectativas e exigências espirituais dos homens e mulheres do nosso tempo. Nossa Senhora nos acompanhe e nos proteja neste caminho”, concluiu.

(http://www.acidigital.com/noticia.php?id=26748)

Bispos do Médio Oriente denunciam perseguição aos Cristãos. Orações em lágrimas.

Iraque e Síria têm uma tragédia em comum: a perseguição aos Cristãos. Dois bispos, do Iraque e da Síria, estiveram em Portugal a convite da Fundação AIS. Dos seus países trouxeram relatos de violência, medo e morte. Uma tragédia sem fim.

Por Redacao

BRASíLIA, 06 de Dezembro de 2013 (Zenit.org) – “O futuro dos Cristãos no Iraque e, direi mesmo, em todo o Médio Oriente, é muito obscuro e pode dizer-se mesmo que existe um plano para o esvaziar de Cristãos.” Foi assim que D. Shlemon Warduni, 70 anos, Bispo Auxiliar de Bagdade, definiu a situação terrível em que se encontram os Cristãos no seu país e em toda a região. No curto espaço de pouco mais de uma semana, Portugal acolheu dois bispos oriundos do Médio Oriente: D. Warduni e D. Samir Nassar, Arcebispo Maronita de Damasco. Ambos trouxeram histórias idênticas, de perseguição, de medo, de fuga. Ambos falaram num futuro sombrio sem lugar para os Cristãos.

D. Samir recordou-nos que esta perseguição já é antiga e que agora está mais intensa do que nunca. “Cheguei a Damasco em 2006, havia um milhão de iraquianos em Damasco, enchiam as nossas igrejas, as nossas escolas. Eu ouvia os cristãos sírios dizer: ‘Hoje são eles, amanhã seremos nós’. Eu não acreditava nisso, mas eles tinham uma intuição.”

Cristãos em fuga

O medo e a violência têm provocado um êxodo sem precedentes. O Bispo auxiliar de Bagdade falou mesmo em “tragédia”, recordou que a comunidade cristã está reduzida a pouco mais de 400 mil pessoas em todo o Iraque, e lançou um apelo: “é preciso condenar todas as guerras, todas as formas de terrorismo e, com amor, construir uma cultura onde o homem possa ser salvo e viver com dignidade. Ajudem-nos, por favor, com as vossas orações, e que Nossa Senhora nos proteja!”

Poucos dias depois, este mesmo apelo prosseguiu nas palavras de D. Samir Nassar, Arcebispo Maronita de Damasco. Também ele falou num êxodo terrível de Cristãos, num quotidiano manchado de sangue, violência e medo. E no fim de uma era. “Se a guerra continuar”, disse, por mais de uma vez, “pode ser o fim dos Cristãos no Oriente”.

D. Samir fez o retrato de uma Síria esventrada, com povoações sem ninguém, centenas de localidades históricas abandonadas, que se transformaram em cidades-fantasma, em escombros. “Um dia vai ser assim, vamos passear pelo país e dizer: ‘ali havia Cristãos.’”

Lágrimas de um povo

Durante os dias em que esteve entre nós, D. Samir trouxe-nos as lágrimas dos Cristãos sírios, obrigados a fugir da sua terra. Falou de um país em guerra, do horror de uma estatística em que se contabilizam já mais de 125 mil mortos; cerca de 7 milhões de pessoas afectadas; 3 milhões de refugiados nos países da região, dos quais, cerca de metade são jovens e crianças; 4,25 milhões de deslocados na própria Síria.

E deixou um alerta, para que o mundo compreenda o genocídio que está a concretizar-se no Médio Oriente contra os Cristãos. “Ontem foi a Igreja do Iraque, hoje é a Igreja da Síria e amanhã será a Igreja do Líbano. Se a Igreja do Líbano desaparece é o fim dos cristãos no Oriente. É a Igreja do Líbano que suporta todas as outras. Nós nem temos seminários. Se esta guerra chega ao Líbano acaba a Igreja no Médio Oriente.”

A oração contra as armas

D. Samir definiu o quotidiano dos Cristãos na Síria como o de um povo que vive “numa tempestade”. Contra o poder das armas, dos grupos radicais, da lógica da guerra, também D. Samir pediu a força da oração. Por isso, foi até à Capelinha das Aparições para consagrar o povo Sírio a Nossa Senhora de Fátima. Tal como D. Shlemon Warduni, também D. Samir Nassar pediu as nossas orações. “Somos peregrinos nesta terra para o reino de Deus. Nunca devemos esquecer isso. Peço muito a vossa oração pela paz do povo da Síria”.

(Fonte: AIS/Red ZENIT TS)

(Agência Zenit)

Colômbia: bispos reiteraram oposição à adoção por casais do mesmo sexo

A posição da Igreja não é discriminatória; defende o desenvolvimento físico, psicológico e moral dos menores. A adoção é uma medida de proteção à criança e não um direito de quem adota

MADRI, 19 de Novembro de 2013 (Zenit.org) – Nos próximos dias, o Supremo Tribunal da Colômbia deve decidir em favor de um casal de mulheres do departamento de Antioquia que, desde 2009, exige a autorização para adotar o filho biológico de uma delas, concebido por meio de inseminação artificial. Em tal circunstância, a Conferência Episcopal da Colômbia, mais uma vez manifestou a sua oposição à adoção por casais do mesmo sexo.

Em comunicado divulgado segunda-feira, os bispos reiteraram que o posicionamento não reflete uma atitude discriminatória, mas a defesa do “desenvolvimento físico, psicológico e moral dos menores”. “Precisamos mostrar que a Igreja Católica na Colômbia está profundamente interessada em que sejam reconhecidos e protegidos os direitos legítimos de todos os cidadãos, sem discriminação” -afirmaram-.  “Com amor materno – continuam- a Igreja acolhe todos os homens e mulheres, em qualquer condição, conscientes de que, independentemente de sua orientação e até mesmo do comportamento sexual, todos gozam da mesma dignidade perante Deus e perante o Estado”.

Sendo assim, os bispos recordaram que a adoção é uma medida de proteção à criança e não um direito dos adotantes, “sejam eles homossexuais ou não”. Eles também fizeram notar que os menores têm direito a uma família “fundada no amor e no compromisso entre um homem e uma mulher”, conforme reconhecido no artigo 42 da Constituição. “Esse é um dever inescusável- destacaram- que as instituições estatais devem assumir com responsabilidade e independência frente a crescente influência da ideologia do gênero e as pressões de alguns meios de comunicação e grupos de interesse.” E alertaram que, estas devem também reconhecer os “valores éticos e sociais de seus cidadãos”.

Neste sentido, o episcopado indicou ao Tribunal que, antes de tomar uma decisão tão importante, “é necessário que se tenha presente e seja valorizado o fato de que a grande maioria dos colombianos têm manifestado oposição à adoção de crianças por casais do mesmo sexo.”

Finalmente, a Igreja na Colômbia espera que os juízes “tomem uma decisão em plena conformidade com os valores dos cidadãos e constitucionais.” E exortou aos fiéis e cidadãos a permanecerem “vigilantes e atentos” perante tais circunstâncias.

Informações: http://www.cec.org.co/images/Documentos/Comunicados_obispos/2013_Comunicado_sobre_adpcion_de_menores.pdf

(Fonte: Agência Zenit)

Cardeal Dolan exorta os bispos dos EUA: Defendam os cristãos perseguidos no mundo

Cardeal Timothy Dolan. Foto: Grupo ACI

BALTIMORE, 12 Nov. 13 / 12:46 pm (ACI/EWTN Noticias).- O Arcebispo de Nova Iorque e Presidente da Conferência dos Bispos Católicos dos Estados Unidos, Cardeal Timothy Dolan, exortou os bispos reunidos em assembleia plenária nesta cidade, a serem defensores dos cristãos perseguidos em todo o mundo.

Na sua apresentação de ontem, o Cardeal disse que “nós como bispos, como pastores de uma das comunidades de fé mais ricamente abençoadas no planeta, como pastores que falaram com unidade entusiasta em defesa da nossa liberdade religiosa, temos que nos converter em advogados e campeões para estes cristãos cujas vidas estão penduradas por um fio, e não podemos ousar permitir que as nossas batalhas sobre a liberdade religiosa em casa ofusquem a atual violência que sofrem os cristãos em outros lugares”.

O Cardeal recordou que nestes primeiros anos do século XXI, aproximadamente um milhão de cristãos foram assassinados, um tempo ao que chamou “uma nova era de mártires”. O Cardeal ressaltou, ademais, o chamado que fez o Papa Francisco no último dia 25 de setembro a favor dos cristãos perseguidos.

Esse dia o Santo Padre questionou: “Quando penso ou ouço dizer que muitos cristãos são perseguidos e chegam a dar a sua vida pela própria fé, isto comove o meu coração, ou não me sensibiliza? Estou aberto àquele irmão ou àquela irmã da família (a Igreja) que entrega a vida por Jesus Cristo?”.

Para o Cardeal Dolan, estas palavras devem ser respondidas individualmente e como bispos. Os cristãos perseguidos, precisou, devem ser “um elemento definitivo nas nossas prioridades pastorais”.

Depois de lamentar a perseguição de cristãos em países como Síria, Iraque, Egito, Índia e China, o Arcebispo disse que deve gerar-se uma “cultura de oração pelos cristãos perseguidos” nas orações privadas e públicas da liturgia.

O Cardeal animou a gerar consciência através da Internet e exortou a ajudar os grupos como Ajuda à Igreja que Sofre (AIS), Catholic Relief Services (o ramo da Cáritas nos Estados Unidos), entre outros.

(http://www.acidigital.com/noticia.php?id=26300)