Cardeal Dziwisz explica por que não queimou as meditações de João Paulo II

Cardeal Stanislaw Dziwisz. Foto: Leszek (CC-BY-SA-2.5)

ROMA, 12 Fev. 14 / 11:04 am (ACI/EWTN Noticias).- O Cardeal Stanislaw Dziwisz, Arcebispo de Cracóvia (Polônia) e secretário pessoal durante mais de 40 anos do Beato João Paulo II, explicou as razões pelas quais não queimou as meditações do Pontífice polonês como o tinha solicitado antes de morrer e que agora foram publicadas em um livro intitulado: “Estou nas mãos de Deus. Anotações pessoais 1962-2003”.

O Cardeal conversou com o grupo ACI sobre a polêmica que gerou a publicação destas meditações contrariando a vontade do amado Papa peregrino, que em 27 de abril será canonizado junto com o Papa João XXIII, e que suscitaram diversas críticas.

O Cardeal assinalou que “esta polêmica é absurda, não tem sentido, nenhum sentido. Ele (João Paulo II) me conhecia. Ele sabia a quem deixava estas coisas, sabia que me comportaria com responsabilidade que é a forma como tentei fazer em toda a minha vida de serviço para com ele: servir, por um lado com obediência e por outro lado com prudência e responsabilidade. Você se imagina queimando coisas deste tipo?”

O Cardeal disse logo que “é necessário distinguir os documentos importantes das coisas que não importam. Estas (meditações) não eram correspondências, eram uma coisa mais profunda que pode ajudar a muitas pessoas a descobrir como se reza, como se ama”.

“Ele (João Paulo II) tinha uma vida muito profunda e não se abria facilmente. Aqui, através destas meditações, será possível descobrir um pouco o seu coração, a sua fé, a sua devoção, o que levava dentro de si”.

O Arcebispo de Cracóvia comentou ao Grupo ACI que João Paulo II foi “um Papa que esteve no serviço 27 anos, que levou consigo tantas riquezas espirituais e estas meditações documentam a sua vida espiritual. Ao ser proclamado santo é indicado pela Igreja como exemplo porque a vida que ele teve pode ser um exemplo para todos”.

(http://www.acidigital.com/noticia.php?id=26685)

Cardeal Dolan exorta os bispos dos EUA: Defendam os cristãos perseguidos no mundo

Cardeal Timothy Dolan. Foto: Grupo ACI

BALTIMORE, 12 Nov. 13 / 12:46 pm (ACI/EWTN Noticias).- O Arcebispo de Nova Iorque e Presidente da Conferência dos Bispos Católicos dos Estados Unidos, Cardeal Timothy Dolan, exortou os bispos reunidos em assembleia plenária nesta cidade, a serem defensores dos cristãos perseguidos em todo o mundo.

Na sua apresentação de ontem, o Cardeal disse que “nós como bispos, como pastores de uma das comunidades de fé mais ricamente abençoadas no planeta, como pastores que falaram com unidade entusiasta em defesa da nossa liberdade religiosa, temos que nos converter em advogados e campeões para estes cristãos cujas vidas estão penduradas por um fio, e não podemos ousar permitir que as nossas batalhas sobre a liberdade religiosa em casa ofusquem a atual violência que sofrem os cristãos em outros lugares”.

O Cardeal recordou que nestes primeiros anos do século XXI, aproximadamente um milhão de cristãos foram assassinados, um tempo ao que chamou “uma nova era de mártires”. O Cardeal ressaltou, ademais, o chamado que fez o Papa Francisco no último dia 25 de setembro a favor dos cristãos perseguidos.

Esse dia o Santo Padre questionou: “Quando penso ou ouço dizer que muitos cristãos são perseguidos e chegam a dar a sua vida pela própria fé, isto comove o meu coração, ou não me sensibiliza? Estou aberto àquele irmão ou àquela irmã da família (a Igreja) que entrega a vida por Jesus Cristo?”.

Para o Cardeal Dolan, estas palavras devem ser respondidas individualmente e como bispos. Os cristãos perseguidos, precisou, devem ser “um elemento definitivo nas nossas prioridades pastorais”.

Depois de lamentar a perseguição de cristãos em países como Síria, Iraque, Egito, Índia e China, o Arcebispo disse que deve gerar-se uma “cultura de oração pelos cristãos perseguidos” nas orações privadas e públicas da liturgia.

O Cardeal animou a gerar consciência através da Internet e exortou a ajudar os grupos como Ajuda à Igreja que Sofre (AIS), Catholic Relief Services (o ramo da Cáritas nos Estados Unidos), entre outros.

(http://www.acidigital.com/noticia.php?id=26300)

Cardeal Dziwisz escreve livro sobre o Beato João Paulo II Conteúdo publicado em gaudiumpress.org, no link http://www.gaudiumpress.org/content/52321#ixzz2jIcAxQc3 Autoriza-se a sua publicação desde que se cite a fonte.

Cidade do Vaticano (Quarta-feira, 30-10-2013, Gaudium Press) O livro “Eu vivi com um Santo”, escrito pelo Arcebispo de Cracóvia, Polônia, Cardeal Stanislaw Dziwisz, retratará a vida e trajetória do Beato João Paulo II.cardeal_dziwisz.jpg

A obra que será apresentada na próxima segunda-feira, 4 de novembro, em Roma, foi escrita com base nas conversas entre o futuro Santo e o jornalista Gian Franco Svidercoschi, ex-vice-diretor do jornal da Santa Sé “L’Osservatore Romano”.

O Cardeal Dziwisz chegou a ser secretário do Papa João Paulo II e afirmou ter vivido ao lado dele durante aproximadamente 40 anos. “Eu vivi ao lado de um Santo ou pelo menos durante quase 40 anos, todos os dias, eu vi de perto a santidade como eu sempre pensei que deveria ser”, ressaltou.

Após oito anos da morte do Santo Padre, o Arcebispo de Cracóvia iniciou seus trabalhos de pesquisa sobre o Beato para a criação de seu livro, buscando traçar um perfil extremamente detalhado da santidade dele, ajudando o público a entender melhor tanto o Papa que mudou a história da Igreja e do mundo, quanto Karol Wojtyla, através de uma dimensão mais humana e pessoal.

Anteriormente, em 2011, o Cardeal Dziwisz havia lançado o livro “Uma vida com Karol”. (LMI)

Da redação, com informações Radio Vaticano

(Conteúdo publicado em gaudiumpress.org, no link http://www.gaudiumpress.org/content/52321#ixzz2jIOL1kKT)

Cardeal Bertone despede-se da Secretaria de Estado do Vaticano

Cardeal Tarcisio Bertone (foto Vid Gajšek; derivative work by Krepideia)

VATICANO, 15 Out. 13 / 12:42 pm (ACI/EWTN Noticias).- Esta manhã, durante um ato celebrado no Palácio Apostólico o Papa Francisco visitou o pessoal da Secretaria de Estado com ocasião do afastamento do Cardeal Tarcisio Bertone como Secretário de Estado, cargo que ocupará o Arcebispo Pietro Parolin, até agora Núncio Apostólico na Venezuela. O Prelado tomará posse de seu cargo em algumas semanas porque teve que submeter-se a uma operação que impediu de fazê-lo hoje.

“Neste momento -disse o Papa- é um sentimento de gratidão aquele que gostaria de partilhar com todos você”. “Vejo no senhor- prosseguiu dirigindo-se ao Cardeal Bertone- antes de tudo o filho de Dom Bosco. Todos somos marcados pela nossa história”.

“Pensando em seu longo serviço à Igreja, seja no ensino, como no ministério de bispo diocesano e no trabalho na Cúria, até o cargo de Secretário de Estado, parece-me que o fio condutor seja constituído pela própria vocação sacerdotal salesiana que o marcou desde a infância e que o levou a desenvolver todos os atributos recebidos, indistintamente, com profundo amor à Igreja, grande generosidade e com aquela típica mistura salesiana que une um sincero espírito de obediência e uma grande liberdade de iniciativa e de inventiva pessoal”.

O Pontífice destacou outro aspecto do serviço do Cardeal Bertone “a atitude de fidelidade incondicional e de absoluta lealdade a Pedro, característica distintiva do seu mandato como Secretário de Estado, tanto para Bento XVIquanto para mim nestes meses. Pude sentir em muitas ocasiões e lhe sou profundamente grato por isto”.

“Desejo enfim agradecer-lhe também pela coragem e paciência com a qual viveu as contrariedades que precisou enfrentar. São tantas.”, acrescentou Francisco, pondo como exemplo o sonho no qual Dom Bosco e seus jovens passeiam por um campo cheio de rosas que, pouco a pouco, vai brotando também os espinhos e sentem a tentação de sair dele até que a Virgem lhes convida a continuar e ao final, encontram-se, em um belíssimo jardim.

“O sonho queria representar o cansaço do educador, mas penso que se possa aplicar também a qualquer ministério de responsabilidade na Igreja. Caro Cardeal Bertone, neste momento gosto de pensar que, mesmo se houve espinhos, a Virgem Auxiliadora não deixou faltar a sua ajuda, e não deixará faltar no futuro: esteja certo, hein? O desejo que todos lhe temos é que Ela possa continuar a apreciar os tesouros que marcaram a sua vocação: a presença de Jesus Eucarístico, a assistência de Nossa Senhora, a amizade do Papa. Os três grandes amores de Dom Bosco: estes três”.

“E com estes pensamentos demos mesmo – in absentia – as mais cordiais boas vindas ao Secretário novo. Ele conhece muito bem a família da Secretaria de Estado, trabalhou lá por muitos anos, com paixão e competência e com aquela capacidade de diálogo e de trato humano que são suas características. Em certo modo, é como um ‘voltar à casa’”.

Ao final o Papa pediu ao pessoal da Secretaria de Estado que rezasse por ele e, continuando, o Cardeal Bertone pronunciou um breve discurso rememorando os seus sete anos de serviço à Santa Sé, primeiro com Bento XVI, de cujo pontificado lhe apaixonaram “o ver a Igreja compreender-se a si mesma profundamente como comunhão e, ao mesmo tempo ser capaz de falar com o mundo, ao coração e à inteligência de cada um com claridade de doutrina e com altitude de pensamento”.

Para o Cardeal, Bento XVI foi “um reformador das consciências e do clero. Seu pontificado se caracterizou por fortes projetos pastorais… sofreu profundamente pelos males que mancham o rosto da Igreja e por isso a dotou que uma nova legislação que ataque com decisão o vergonhoso fenômeno da pedofilia do clero, sem esquecer o começo de uma nova normativa em matéria econômico-administrativa”.

“Hoje vejo no Papa Francisco -disse o Cardeal- não tanto uma revolução, mas uma continuidade com o Papa Bento XVI, embora com diversidade de acentos e segmentos de vida pessoal… A escuta, a ternura, a misericórdia, a confiança são realidades maravilhosas que experimentei pessoalmente com o senhor… E não posso deixar de destacar duas coisas que reforçam esta continuidade: o dom do conselho espontâneo e inspirado, projetado para o futuro rico de memória e a comum e fervente devoção Mariana”.

Para o Cardeal Bertone “não há imagem mais bela que a dos Papas recolhidos em oração ante a Virgem de Fátima: em Fátima, no ano sacerdotal de 2010, o Papa Bento e, em Roma, ante a mesma imagem no Ano da Fé, o Papa Francisco para colocar toda a Igreja em estado de penitência e purificação”.

O Cardeal finalizou desejando a seu sucessor que possa “desfazer logo os nós que ainda impedem a Igreja de ser em Cristo, o coração do mundo, horizonte desejado e invocado incessantemente”.

(Fonte: ACI Digital)