A família é indispensável para a vida e o futuro da humanidade, afirma o Papa Francisco

Vaticano, 20 Fev. 14 / 01:39 pm (ACI/EWTN Noticias).- O Papa Francisco se dirigiu esta manhã aos mais de 180 cardeais que participam do Consistório extraordinária no que criará a 19 novos cardeais, e destacou que a família é indispensável para a vida do mundo e para o futuro da humanidade.

Junto às suas saudações e gratidão pela presença dos cardeais o Papa disse que “damos as boas-vindas especialmente aos irmãos que este sábado serão criados cardeais, e os acompanhamos com a oração e o afeto fraterno”.

“Hoje, a família é desprezada, é maltratada, e o que nos pede é reconhecer o belo, autêntico e bom que é formar uma família, ser família hoje; quão indispensável é isto para a vida do mundo, para o futuro da humanidade”, assinalou o Santo Padre.

“Nestes dias refletiremos de modo particular sobre a família, que é a célula básica da sociedade humana. O Criador abençoou desde o começo o homem e a mulher para que fossem fecundos e se multiplicassem sobre a terra; assim, a família representa no mundo uma espécie de reflexo de Deus, Uno e Trino”.

“Nossa reflexão terá sempre presente a beleza da família e do matrimônio, a grandeza desta realidade humana, tão singela e de uma vez tão rica, cheia de alegrias e esperanças, de fadigas e sofrimentos, como toda a vida”, afirmou.

“Buscaremos aprofundar na teologia da família, e na pastoral que devemos empreender nas condições atuais. Façamo-lo com profundidade e sem cair na casuística, porque isto faria reduzir indevidamente o nível de nosso trabalho”.

Por último o Papa disse que hoje a Igreja enfrenta a necessidade de realçar o plano luminoso de Deus sobre a família e exortou: “Ajudemos os cônjuges a vivê-lo com alegria em sua vida, lhes acompanhando em suas muitas dificuldades, com uma pastoral inteligente, corajosa e cheia de amor”.

“Obrigado a todos, e boa jornada de trabalho”, concluiu o Santo Padre.

(http://www.acidigital.com/noticia.php?id=26734)

Contemplar a humanidade sofredora de Jesus para viver o perdão, exorta o Papa

Foto Grupo ACI

VATICANO, 12 Set. 13 / 03:33 pm (ACI/EWTN Noticias).- “A humanidade sofredora” de Jesus e a “doçura” de Maria são os dois polos a que todo cristão deve olhar para conseguir viver o que nos pede o Evangelho, assim o afirmou nesta manhã o Papa Francisco em sua homilia da Missa matutina celebrada na capela da Casa Santa Marta.

Conforme assinala a Rádio Vaticano, o Papa disse que o Evangelho é exigente, pede “coisas fortes” a um cristão: capacidade de perdoar, magnanimidade, amor pelos inimigos… Há só uma maneira para conseguir coloca-las em prática: “contemplar a Paixão, a humanidade de Jesus” e imitar o comportamento da Mãe.

Justamente à Virgem, de quem hoje a Igreja recorda seu “Santo Nome”, o Papa dedicou seu primeiro pensamento da homilia. A respeito da comemoração de hoje, disse que antigamente esta festa era conhecida como o “Doce Nome de Maria”. Depois mudou a definição, “mas na oração ficou esta doçura de seu nome”.

“Hoje temos necessidade da doçura da Virgem para compreender estas coisas que Jesus nos pede, não? Porque estas não são coisas fáceis de viver. Amar os inimigos, fazer o bem, emprestar sem esperar nada… A quem te bater na face, oferece também a outra, a quem te rasga o manto não reter também a túnica… Coisas fortes, não? Mas tudo isto, a seu modo, foi vivido por Maria: é a graça da docilidade, a graça da mansidão”.

Também São Paulo, na Carta aos Colossenses da liturgia do dia, convida os cristãos a revestir-se de “sentimentos de ternura, de bondade, de humildade, de mansidão”, de tolerância e de perdão recíproco.

E aqui, comentou Francisco, “imediatamente se gera nossa pergunta: mas, como posso fazer isto? Como me preparo para fazer isto? O que devo estudar para fazer isto?”. A resposta “é clara”: “Nós, com nosso esforço, não podemos fazê-lo. Nós não podemos fazer isto. Só uma graça pode fazê-lo em nós”. E esta graça, acrescentou, passa por um caminho preciso:

“Pensar somente em Jesus. Se o nosso coração, se a nossa mente está com o Jesus, o triunfante, que venceu a morte, o pecado, o demônio, tudo, podemos fazer isto que nos pede o próprio Jesus e que nos pede o Apóstolo Paulo: a mansidão, a humildade, a bondade, a ternura, a docilidade, a magnanimidade”.

“Se não olhamos, se não estamos com Jesus, não podemos fazer isto. É uma graça: é a graça que vem da contemplação de Jesus”.

Em particular há um aspecto específico da vida de Jesus ao que deve dirigi-la contemplação do cristão: sua Paixão, a sua “humanidade sofredora”. “É assim da contemplação de Jesus, de nossa vida escondida com Jesus em Deus, podemos levar adiante estas atitudes, estas virtudes que o Senhor nos pede. Não há outro caminho”.

“Pensar no seu silêncio manso: este será seu esforço. Ele fará o resto. Ele fará tudo o que falta. Mas deve fazer isto: esconder sua vida em Deus com Cristo. Isto se faz com a contemplação da humanidade de Jesus, da humanidade que sofre. Não há outro caminho: não existe outro”.

“É o único. Para ser bons cristãos, contemplar a humanidade de Jesus e a humanidade sofredora. Para dar testemunho, para poder dar este testemunho. Para perdoar, contempla Jesus Sofredor. Para não odiar o próximo, contempla Jesus sofredor. Para não falar contra o próximo, contempla Jesus sofredor. É o único. Esconde sua vida com Cristo em Deus: este é o conselho que nos dá o Apóstolo. É o conselho para chegar a ser humildes, mansos e bons, magnânimos e ternos”

(Fonte: ACI Digital)