Papa Francisco. Foto: Grupo ACI

ROMA, 02 Out. 13 / 11:05 am (ACI).- Em seu diálogo com o jornalista e cofundador do jornal italiano La Reppublica, Eugenio Scalfari, publicado ontem, o Papa Francisco abordou o tema da justiça no mundo, e a missão da Igreja a respeito.

O Santo Padre destacou que “os males mais graves que afligem o mundo nestes anos sãoo desemprego dos jovens e a solidão dos idosos”.

“Os idosos precisam de cuidado e companhia; os jovens precisam de trabalho e esperança, mas não tem um nem outro, e o problema é que eles sequer os buscam mais. Eles foram esmagados pelo presente”.

“Você me diz: é possível viver esmagado sob o peso do presente? Sem uma memória do passado e sem o desejo de olhar adiante para o futuro para construir algo, um futuro, uma família? Você consegue ir adiante assim? Este, para mim, é o problema mais urgente que a Igreja enfrenta”, disse Francisco.

Reconhecendo que este é um problema político e econômico, o Santo Padre assinalou que isso “também preocupa a Igreja, sobretudo a Igreja porque esta situação não fere somente os corpos, mas também as almas”.

“A Igreja deve se sentir responsável tanto pelas almas como pelos corpos”, remarcou.

O Santo Padre disse que “em geral, a consciência (da Igreja sobre este tema) existe, mas não basta. Quero que haja mais. Não é o único problema que enfrentamos, mas é o mais urgente e mais dramático”.

Francisco recordou a seu interlocutor que o ágape “é o amor pelos outros, como Nosso Senhor pregou. Não é fazer proselitismo, é amar. Amar o próximo, aquele fermento que serve ao bem comum”.

“O Filho de Deus se encarnou para infundir nas almas dos homens o sentimento de fraternidade.?Todos somos irmãos e todos somos filhos de Deus. Abba, como ele chamou o Pai. Mostrarei o caminho, ele disse. Siga-me e encontrará o Pai e será seu filho e ele se compadecerá de ti”.

O Papa indicou que “o ágape, o amor de cada um de nós pelos outros, do mais próximo ao mais distante, é o modo que Jesus nos indicou para encontrar o caminho da salvação e das Bem-aventuranças”.

(Fonte: ACI Digital)

Vietnã: Polícia dispara e fere 40 católicos

ROMA, 23 Set. 13 (ACI/EWTN Noticias) .- A repressão policial no Vietnã deixou no último dia 5 de setembro pelo menos 40 feridos, depois que agentes dispararam contra um grupo de católicos que exigia a libertação de dois cristãos presos injustamente.

Segundo informação da agência UCA News, reproduzida pela Gaudium Press, “a maioria dos feridos está recebendo tratamento médico na clínica do complexo da residência do Bispo, enquanto que aqueles com ferimentos mais graves estão sendo tratados em um hospital estatal local”.

A versão do regime comunista acusa os católicos de vandalismo. Entretanto, os católicos denunciaram que também seus lares foram objeto de violência e que as imagens religiosas foram destruídas durante o ataque.

Este é somente mais um episódio de repressão contra os católicos. No mês de maio deste ano, as autoridades impediram os fiéis de visitar o Santuário de Santo Antônio de Pádua. A multidão deteve a três agentes de segurança como represália, libertando-os a pedido dos sacerdotes. Quase um mês depois, foram presos Nguyen Van Hai e Ngo Van Kho, acusados de “causar desordem pública, ferir oficiais locais e destruir a propriedade pública”.

No dia 5 de setembro, centenas de fiéis se dirigiram aos gabinetes das autoridades locais para exigir a libertação dos detidos, mas foram reprimidos.

O bispo de Vinh, Dom Phaolo Nguyen Thai Hop, condenou energicamente “o comportamento desumano e os atos violentos dos poderes públicos”, e convocou os fiéis “a orar, oferecer sacrifícios e realizar atos que demonstrem a unidade e comunhão com a paróquia de My Yen e a solidariedade com as vítimas”.

Do mesmo modo, o Bispo Auxiliar de Vinh, Dom Peter Nguyen Van Vinh, rechaçou as informações dos meios de comunicação estatais que “distorcem a realidade e ofendem a reputação e a honra do Bispo e da diocese de Vihn frente à população” ao acusar os católicos de supostos atos de violência e vandalismo.

Por sua parte, a União dos Meios Católicos de comunicação social do Vietnã pediu aos organismos de defesa dos Direitos Humanos ações para exigir o pleno respeito da liberdade religiosa neste país asiático.

(Fonte: ACI Digital)

A falta de Deus leva a injustiça!

FATIMA, 18 Set. 13 / 09:05 pm (ACI).- Em palavras dirigidas aos peregrinos presentes no Santuário de Fátima, Dom Virgílio Antunes Bispo de Coimbra assinalou que “as desordens e injustiças de toda a ordem existentes no nosso mundo têm a sua raiz na perda de sentido de Deus e da dignidade humana”.

Segundo informou a Sala de Imprensa do Santuário Mariano português, a mensagem do prelado foi dirigida aos jovens do movimento Convívios Fraternos, que peregrinaram a Fátima. O bispo também pediu uma fé encarnada na vida e que os rapazes e moças do movimento sejam “portadores da alegria de Cristo para outros jovens”.

Na reflexão do Bispo de Coimbra, o ser humano vive três tipos de perdas: a perda das condições de vida e de bens, a perda do amor nas relações humanas e a perda do amor em Deus.

“Somos sensíveis às duas primeiras perdas, e com razão, porque destroem a pessoa humana, roubam-lhe a alegria de viver, a esperança e o amor, essenciais para uma vida feliz. Geralmente somos menos sensíveis à perda de Deus e à perda da fé no seu amor e na sua misericórdia”, afirmou, na homilia da Missa que presidiu na manhã deste 17 de agosto no Santuário de Fátima, que concelebrou com vários sacerdotes e com outros bispos em peregrinação: Dom Anacleto Gonçalves, bispo de Bragança-Miranda (Portugal), e D. Patrick O’ Donoghue, bispo emérito de Lancaster, Inglaterra.

O apelo do Bispo de Coimbra foi no sentido do reencontro do sentido de Deus e do sentido do homem na sociedade moderna. Segundo Dom Antunes “o caminho para esse reencontro passa pela fé em Deus, pelo encontro com o seu amor e a sua misericórdia, que provocam sempre o encontro com o amor e a misericórdia humana, aceite, acolhida e vivida”.

Além de outros grupos, estão na Cova da Iria em peregrinação nacional os grupos da Federação Portuguesa de Dadores Benévolos de Sangue e do movimento Convívios Fraternos.

“Não permitas que a tua fé esteja desencarnada da tua vida, mas trabalha para que se torne compromisso em favor da dignidade humana, da construção da paz e da instauração de relações marcadas pela justiça. Está atento aos outros e torna-te instrumento do seu reencontro”, disse o bispo aos jovens presentes.

(Fonte: ACI Digital)

Egito: Taxista decapitado por ter um crucifixo pendurado no espelho

Um vídeo amador mostra o massacre do jovem Mina Rafaat Aziz, espancado por manifestantes islâmicos, degolado e abandonado na rua

ROMA, 29 de Agosto de 2013 (Zenit.org) – No dia em que a Igreja celebra a memória litúrgica de São João Batista,chegado Egito a notícia de um novo mártir decapitado por seu amor à fé cristã. É Mina Rafaat Aziz, motorista de táxi, nos seus vinte anos, de Alexandria, massacrado na rua, em 16 de agosto, por uma multidão de muçulmanos, porque tinha pendurado do espelho de seu táxi um crucifixo.

A triste notícia foi relatada por fontes locais à agência Asia News, que afirma: “As histórias contadas pelas vítimas dos ataques assustam e pesam os corações de toda a população egípcia”. O assassinato do jovem ocorreu no contexto dosataques contra sit-in, no Cairo.

Em um vídeo amador filmado por um morador vê-se uma multidão bloqueando o carro para controlar os passageiros. Quando o táxide Azizfoi parado, um manifestante viu a cruz pendurada no espelho. As imagens mostram como, em um curto espaço de tempo, o menino foi arrastado para fora do carro a chutes, socos, espancado.Os golpes causaram a morte do jovem após alguns minutos. Os extremistas continuam a agredir o corpo sem vida com cuspes e pontapés,até completar a execução por decapitação do cadáver que foi abandonado na calçada.

(Fonte: Agência Zenit)

Cristão que difundiu cópias do Evangelho foi condenado a dez anos de prisão

Mohammad-Hadi Bordbar

TEERÃ, 21 Ago. 13 / 03:28 pm (ACI/EWTN Noticias).- O iraniano Mohammad-Hadi Bordbar foi condenado a dez anos de prisão pelo “crime contra a segurança do Estado” que o acusa de conspiração por converter-se do Islã ao cristianismo e difundir cópias do Evangelho.

Mustafá, como é conhecido, é natural da cidade de Rasht (Irã). Foi detido em 27 de dezembro de 2012 em Teerã. Segundo o relatório da corte, ele teria declarado “ter deixado o Islamismo para seguir o cristianismo”, e “considerando que a evangelização é seu dever, distribuiu 12 mil evangelhos de bolso”.

Assinalou que após receber o batismo, iniciou uma “igreja em casa”, onde se pode orar e louvar, coisas que são consideradas “ilegais” no Irã, conforme informou a agência vaticana Fides.

Quando Mustafá estava reunido em sua casa orando com mais de 50 cristãos iranianos, a polícia ingressou repentinamente, interrogou a cada um deles e encontrou em um quarto material de publicações cristãs, como filmes, livros, CDs e mais de seis mil cópias do Evangelho.

Esta não seria a primeira vez que prendem Mustafá, em 2009 foi detido e declarado culpado de apostasia, por sua conversão, sendo posteriormente posto em liberdade sob caução.

A Agência Fides também divulgou o caso do jovem cristão iraniano, Ebrahim Firouzi, detido em março de 2013 e condenado a um ano de prisão e dois anos de exílio por um tribunal da cidade de Robat-Karim, por dedicar-se à evangelização e distribuição de Bíblias, considerado uma oposição ao regime da República Islâmica do Irã.

O juiz assinalou na sentença que Firouzi é “culpado de atos criminais por ter mantido encontros de oração em casa e ter difundido dúvidas sobre os princípios islâmicos entre os jovens”.

Ante casos como este, as ONGs comprometidas com a defesa dos cristãos no mundo, “Barnabas team” e “Christian Solidarity Worldwide”, assinalaram que o interesse dos jovens iranianos pelo Cristianismo nos últimos anos, tornou a conversão ao cristianismo um problema preocupante para as autoridades iranianas.

A pressão por parte dos extremistas sobre os cristãos convertidos do islã está em aumento, muitos lugares Igrejas e lugares de oração foram fechados em Teerã e em outras cidades.

Por sua parte o novo presidente do país, Hassan Rouhani, mencionou a possibilidade de uma “reforma dos direitos civis”, e pediu aos clérigos religiosos islâmicos que “freiem a interferência do Estado na vida privada das pessoas”.

(Fonte: ACI Digital)

Vídeo mostra como foi a liberação de Rimsha Masih, vítima da lei da blasfêmia no Paquistão

ROMA, 11 Set. 12 / 02:04 pm (ACI/EWTN Noticias).- Em um vídeo difundido através do Youtube se confirmou que a menina Rimsha Masih, presa em meados de agosto por um suposto delito de blasfêmia contra o Islã, foi liberada na sexta-feira 9 de setembro.

A agência Reuters informou após a sua liberação sob fiança, que um helicóptero do exército paquistanês buscou a menor e a levou para um lugar escondido para garantir sua segurança.

No vídeo se veem vários policiais fortemente armados ao redor de Rimsha, que cobre seu rosto com um cachecol verde enquanto caminha para o helicóptero.

Rimsha Masih, vizinha de um bairro humilde de Mehrabad, nos subúrbios de Islamabad, foi presa em meados do último mês de agosto depois de que alguns vizinhos muçulmanos a acusaram de ter queimado parte do livro ‘Noorani Qaida’, um manual infantil de introdução ao Islã que contém versículos do Corão.

O ímã que fez a acusação, Jalid Yadun, foi detido faz uns dias depois de que várias testemunhas, vizinhas da aldeia de Masih, asseguraram que tinham visto como ele introduzia “papéis queimados” do Corão na mochila da adolescente.

As leis contra a blasfêmia do Paquistão castigam duramente inclusive com a pena de morte, a quem fale mal sobre o Islã ou o profeta Maomé e a quem profane ou queime partes do Corão, o livro sagrado muçulmano.

A detenção de Masih desencadeou o êxodo de centenas de cristãos da aldeia da menina, sobre tudo depois de que os responsáveis por várias mesquitas informaram através de alto-falantes do que supostamente tinha feito a menor.

Os cristãos representam quatro por cento da população paquistanesa. Segundo os membros desta comunidade, as condenações por blasfêmia costumam apoiar-se unicamente em declarações de testemunhas e normalmente são feitas por vinganças pessoais.

Fonte : ACI Digital