Extremistas hindus torturam e assassinam a um menino de sete anos por ser cristão

ppcristianosindia051213O site ACI informou na última sexta-feira (06/12/13) que Anugrag Gemethi, um menino cristão de sete anos chamavam de “Anmol”, foi torturado e assassinado por extremistas hindus em uma localidade de Rajasthan, no noroeste da Índia.

Os pais de Anmol o viram pela última vez quando saiu de sua casa para a escola dominical. Ao perceberem que o garoto não retornava, fizeram uma denúncia. O corpo –praticamente irreconhecível- foi achado no dia seguinte, 18 de novembro em um hospital.

Segundo o relatório da autópsia, o menor morreu afogado. Entretanto, cinco testemunhas do hospital indicaram que o corpo tinha evidentes sinais de tortura que foram ignorados pelo médico legista.

Mais de 200 pessoas foram ao enterro e ao funeral. “O lamento do povo e dos pais foi dilacerador”, disse uma testemunha presente nos eventos.

Harish Gemethi, pai do menino, disse à polícia que “há anos alguns extremistas hindus locais ameaçam matar-me e prejudicaram minha família muitíssimas vezes”. O homem deu os nomes dos agressores e pediu às autoridades que abrissem inquérito contra os mesmos, mas todas as suas queixas foram ignoradas até o momento.

Na aldeia vive uma comunidade cristã de 45 fiéis. Em setembro, um grupo de extremistas hindus interrompeu um encontro de oração dos fiéis e ameaçaram de morte os presentes.

“A tortura sem precedentes e a morte deste menino inocente entristecem nossos corações embora isto pareça inacreditável” disse K.P. Yohannan, fundador e diretor internacional da associação “Evangelho para a Ásia”. “A perseguição contra os cristãos é um acontecimento semanal, mas esta intensidade da brutalidade contra uma criança é impensável. Apesar de tudo, nesta horrível tragédia, encontramo-nos com a força e a esperança em Jesus” expressou.

Segundo Yohannan, a perseguição aos cristãos cresceu mais de 400 por cento nos últimos anos.

Por sua parte, em uma nota enviada à agência Fides pelo “Catholic Secular Fórum”, adverte-se que “é verdadeiramente horrível que os fundamentalistas hindus não tenham perdoado a vida de um menino de sete anos. O pior é que a polícia não seja capaz de identificar os assassinos e entregá-los à justiça”.

Nesse sentido, o “Catholic Secular Fórum” lançou a campanha “Justiça para o mártir Anmol”, pretendendo sensibilizar líderes da Igreja e das instituições políticas e judiciais pedindo um castigo severo para os assassinos, o fim da perseguição aos cristãos da Índia e uma indenização para a família do menino.

O episódio é o último de uma longa série de ataques contra as minorias religiosas na Índia. Segundo os dados recolhidos pelo Global Council of Indian Christians (GCIC), só em 2011 a minoria cristã sofreu 170 ataques. Trata-se de ofensivas de diferentes tipos perpetradas por grupos vinculados ao movimento nacionalista hindu Sangh Parivar, cujo nome traduzido ao Português é: “Famílias de Associações”, referindo-se ao agrupamento de distintos grupos nacionalistas hindus radicais.

Fonte: http://www.acidigital.com/noticia.php?id=26398

O Advento é o momento oportuno para voltarmos os olhos para o menino Jesus

Belo Horizonte – Minas Gerais (Quarta-feira, 04-12-2013, Gaudium Press“O Advento é o momento oportuno para voltarmos os olhos para o menino Jesus e escutarmos a sua voz, que amorosamente toca o coração da humanidade e nos chama para fazer o bem”, foi o que disse o Arcebispo de Belo Horizonte, Dom Walmor Oliveira de Azevedo, à Gaudium Press.

arcebispo_dom_walmor_oliveira_de_azevedo.jpg

Explicando sobre o significado do período do Advento, comemorado pela Igreja no mês de dezembro, o prelado afirma que este é o momento ideal “de nos prepararmos para acolher de coração o mais importante e completo presente dado à humanidade: Jesus Cristo, o Filho amado de Deus Pai e único Senhor e Salvador”.

“N’Ele, unicamente, está a fonte da sabedoria. Suplicar a graça de recebê-la e, de fato, possuí-la, no tempo do Advento, deve ser o mais importante desejo de todo coração humano”.

Dom Walmor, ao destacar as principais características das celebrações durante este tempo litúrgico, ressalta que o Advento deve ser observado como o “tempo de expectativa”, onde cristão “é chamado a receber dignamente o Senhor”.

“É tempo de escuta da Palavra, tempo de espera, celebrado com sobriedade e com uma alegria discreta. Tempo singular que a humanidade tem para renovar suas forças e encher-se da sabedoria que o mistério da encarnação do Verbo de Deus revela, possibilitando a conquista e a vivência de autêntica fraternidade e solidariedade”, acrescenta.

Para o Arcebispo, assim como em cada tempo litúrgico, o Advento traz suas próprias marcas durante as quatro semanas destinadas à preparação “para uma autêntica celebração do Natal”, onde a Igreja “proclama para povoar o coração dos seus fiéis e interpelar a consciência de homens e mulheres de boa vontade”.

De acordo com Dom Walmor, o caminho de preparação para um novo tempo deve passar pela reflexão interna e individual dos fiéis. “Nas paróquias e comunidades de Fé, os sacerdotes conduzem os fiéis para que vivam este tempo com plenitude verdadeira”, explica.

O prelado acredita que este período litúrgico possui uma dimensão mariana, pois, “Deus, em seu amor, escolheu Maria para ser a Mãe de seu filho, Jesus Cristo”, sendo Ela quem viveu o Advento mais importante da história.

“Ela gerou o Salvador, viveu o mistério da maternidade e se preparou para receber Jesus, possibilitando que as promessas de Deus se cumprissem”, observa.

Nossa Senhora, segundo Dom Walmor, é para a humanidade a porta-voz da vida e da esperança e o Advento é o tempo mariano por excelência, pois, nos tempos atuais, a Virgem Santíssima nos ensina a vivê-lo por meio de seu exemplo.

Concluindo a entrevista, o Arcebispo enaltece Maria Santíssima como “o modelo que está colocado no horizonte de nossas vidas para inspirar os passos de nossa caminhada”, sendo um exemplo para a Igreja e para cada discípulo.

“Ela ensina a sermos sempre atentos aos apelos de Deus, disponíveis para nossas vocações, mais acolhedores às vontades do Pai. Sem as manchas do pecado original, sua vida de santidade, doação e amor se torna fonte perene de bênçãos e de graças e inspiração para que cada um viva o Advento plenamente”.

Por Leandro Massoni Ilhéu

(http://www.gaudiumpress.org/content/53627#ixzz2mb0ToMPF)

Conheça Nicolás, o menino que emprestou o seu anjo da guarda ao Papa Francisco

Nicolás com os seus pais. Foto: Jornal Argentino Clarín

BUENOS AIRES, 12 Nov. 13 / 12:44 pm (ACI/EWTN Noticias).- Nicolás Marasco é um adolescente argentino de 16 anos que sofre de encefalopatia crônica não evolutiva, não pode falar; porém, graças a seus pais pôde “escrever” uma carta ao Papa Francisco para dizer a ele que “todas as noites” pede ao seu anjo da guarda que o cuide e lhe ajude em seu pontificado.

A carta, escrita por Marisa e Fernando, é a seguinte:

“Querido Francisco: sou Nicolás e tenho 16 anos. Como eu não posso te escrever (porque ainda não falo nem caminho), pedi aos meus pais que o façam no meu lugar, porque eles são as pessoas que mais me conhecem.

Quero contar-te que quando tinha seis anos, no meu colégio que se chama AEDIN (Associação em Defesa do Infante Neurológico) o Padre Pablo me deu a primeira comunhão, e neste ano, em novembro, receberei a crisma, algo que me dá muita alegria.

Todas as noites, desde que me pediu isso, peço ao meu anjo do guarda -que se chama Eusébio e tem muita paciência- que te cuide e te ajude. Pode estar certo de que o faz muito bem porque me cuida e me acompanha todos os dias. Ah, e quando não tenho sono… vem para brincar comigo.

Eu gostaria muito de ir para ver-te e receber a sua bênção e um beijo: só isso! Mando-te muitas saudações e continuo pedindo a Eusébio que te cuide e te dê força. Beijos.

Nico”.

O jornal argentino Clarín afirmou que o Papa Francisco ficou impressionado com a carta de Nicolás.

No último dia 4 de outubro, ante a multidão que o escutava próximo ao túmulo de São Francisco de Assis, o Papa contou a sua história e considerou que “nesta carta, no coração deste rapaz, estão a beleza, o amor e a poesia de Deus. Deus que se revela a quem tem o coração simples, aos pequenos, aos humildes, àqueles que nós frequentemente consideramos como os últimos”.

Francisco ressaltou -indicou Clarín- que foi uma das cartas mais emotivas que recebeu desde que chegou a Roma.

Três dias depois, Nicolás recebeu a resposta manuscrita do Santo Padre:

“Querido Nicolás: muito obrigado pela sua carta. Muito obrigado por rezar por mim. Com a sua oração, você me ajuda no meu trabalho, que é levar Jesus a todas as pessoas. Por isso, querido Nicolás, é importante para mim.

E quero te pedir, por favor, que continue me ajudando com a sua oração e também pedindo a Eusébio, que com certeza é amigo do meu anjo da guarda, que também me cuide.

Nicolás, obrigado pela sua ajuda. Rezo por você. Que Jesus te abençoe e a Virgem Santa te cuide. Afetuosamente, com minha bênção.

Francisco”.

Neste dia 9 de novembro o menino argentino recebeu o sacramento da Crisma, junto com outros 16 companheiros da escola.

De Roma, o Papa o abençoou de novo, graças a um emissário sensível que o informou sobre o acontecimento. Além disso, levou-lhe um quadro com as fotos de todos os jovens que receberam o sacramento da crisma.

Marisa Mariani, mãe do adolescente, assegurou que “com isto que aconteceu conosco, nos damos conta do quão importante são as coisas simples, uma palavra de ânimo, alguém que escuta, alguém que não olha para o outro lado, como às vezes acontece conosco na rua”.

(http://www.acidigital.com/noticia.php?id=26299)