Igreja é atacada no Norte da Nigéria

Abuja – Nigéria (Quarta-feira, 29-01-2014, Gaudium PressNo último domingo, 26 de janeiro, um grupo de homens armados, supostamente membros da seita Boko Haram, atacaram uma igreja na Vila de Waga Chakawa (Nigéria), onde estava sendo celebrada uma Santa Missa.

Por volta de 26 fiéis morreram no atentado que durou das 10h às 14h. Além da igreja diversas casas foram atacadas pelo bando, que utilizou armas de fogo e explosivos.

Apesar de ser uma zona com muitas dificuldades na comunicação, o ataque foi confirmado pelo Diretor de Comunicação da Diocese de Yola, Padre Raymond Danbouye.

Neste mesmo dia, no estado de Borno, por volta de cinquenta membros do Boko Haram atacaram as aldeias de Kauwuri e Wala, deixando um saldo de 54 mortes. (EPC)

Com informações da Fides.

(http://www.gaudiumpress.org/content/55346#ixzz2rsh1Q7bU )

Tentativa de assassinato sofrida no domingo

Comemorávamos a páscoa em paz e tranquilidade

Dom Matthew Man-oso Ndagoso fala da tentativa de assassinato sofrida no domingo

ROMA, segunda-feira, 16 de abril de 2012 (ZENIT.org). – “Nós tínhamos sido avisados da possibilidade de novos ataques. Mas ninguém sabia como e quando seria. Por isso, celebrávamos a páscoa em paz e tranquilidade”.

Por telefone, dom Matthew Man-oso Ndagoso, arcebispo de Kaduna, Nigéria, conta para Ajuda à Igreja que Sofre que, durante a missa de páscoa, a polícia parou um carro que se dirigia à igreja evangélica da cidade. O homem ao volante tentou escapar, mas “o carro explodiu de repente” muito perto de outra igreja. Fontes locais falam de 38 mortos, mas o arcebispo diz que “ainda é impossível fornecer uma estimativa precisa”. Entre as vítimas, numerosos mototaxistas, que iriam levar os fiéis para casa, e alguns mendigos que pediam esmolas.

A comunidade está apavorada, mas dom Ndagoso garante que “não pretende deixar Kaduna”. Nestes tempos difíceis, o prelado refez à comunidade o mesmo convite de sempre: “Continuem vindo à igreja e rezem pela paz. E perdoem, mais uma vez”.

As atividades normais ainda não foram retomadas. O arcebispo não pôde ainda encontrar as famílias das vítimas, entre as quais há muitos muçulmanos. “Não foi decretado toque de recolher, mas é mais seguro ficar em casa”, diz ele.

O ataque não foi reivindicado, mas é fácil pensar na seita islâmica Boko Haram. “Esse grupo já se manchou com massacres muito parecidos. Mas não temos certezas”. Na noite de domingo, outra bomba explodiu em Jos, ferindo algumas pessoas.

Dom Ndagoso está convencido de que a única esperança para a Nigéria (“para todos, não apenas para os cristãos”) é o diálogo entre as comunidades religiosas e com as autoridades civis. Mas antes é preciso receber ajuda externa. “Se ninguém investe na Nigéria, nunca haverá trabalho para os nossos jovens. E o diálogo nunca terá bases sólidas”.