Padre Lombardi fala sobre o primeiro ano do Papa Francisco (Parte II)

Os eventos que marcaram a história, contados pelo diretor da Sala de Imprensa do Vaticano: da renúncia de Bento XVI a eleição de Bergoglio e os seus emocionantes 12 meses de pontificado

Por Wlodzimierz Redzioch

ROMA, 05 de Março de 2014 (Zenit.org) – Estamos há um ano da renúncia de Bento XVI. Uma atmosfera pesada pairou sobre a Igreja católica e a cúria Romana depois dos escândalos de pedofilia e a traição do mordomo. Os preparativos do Conclave e a eleição surpreendente do primeiro Papa não europeu fizeram com que Roma fosse invadida por uma multidão de jornalistas, algo que não acontecia desde a morte de João Paulo II. Por várias semanas, Pe. Federico Lombardi, diretor da Sala de Imprensa do Vaticano teve que responder as perguntas de cerca de seis mil jornalistas. Em uma atmosfera tensa e incerta o diretor da Sala de Imprensa do vaticano realizou a difícil tarefa de explicar aos jornalistas provenientes de todo o planeta, o que estava acontecendo. Trata-se de eventos que marcaram a história da Igreja católica e do mundo. Para conhecer o que aconteceu neste último ano entrevistamos padre Lombardi.

A primeira parte foi publicada segunda-feira (3). Acompanhe a seguir a segunda parte:

***

Como você avalia o trabalho da mídia que antes do conclave consideraram vários cardeais papáveis?

Padre Lombardi: Na Sala de Imprensa do Vaticano encontro-me com vários jornalistas com atitudes diferentes. Há pessoas extremamente sérias, objetivas, que buscam a verdade; há pessoas mais ou menos, cheias de preconceitos e talvez com uma atitude crítica e negativa em relação à Igreja: Alguns deles usam as informações para desacreditar a Igreja. Não me assusto diante de tais atitudes, sigo meu caminho e procuro ser objetivo. Dou a todos a minha contribuição para compreender e ajudar a fazer um bom trabalho. Depois disso cada um tem a responsabilidade por aquilo que escreve.

O que você sentiu ao ver que foi eleito papa o único jesuíta no Conclave? Você o conhecia?

Padre Lombardi: Não o conhecia. A única vez que tive a ocasião de encontra-lo foi na congregação geral dos jesuítas que elegeu Hans-Peter Kolvenbach. Ali ele era representante da Argentina e eu era representante da Itália. Porém, nem sequer falamos naquela ocasião. Depois padre Bergoglio se tornou bispo e não participou ativamente na vida da Companhia de Jesus.

Quanto no modo de comportar-se do Papa Francisco é característico da formação e tradição da Companhia de Jesus?

Padre Lombardi: Como jesuíta encontro no Papa Francisco toda a dimensão de caráter espiritual e um modo de afrontar as coisas, da Companhia. Por exemplo nas homilias de Santa Marta onde a referência ao Evangelho está ligada á aplicação direta na vida. Encontro esta abordagem muito semelhante aos exercícios espirituais de Santo Inácio. Assim como a espiritualidade que contempla o Senhor e procura traduzir na vida o que o Evangelho te fala. O discernimento característico dos jesuítas quer dizer que cada um está continuamente a caminho para buscar encontrar a vontade de Deus e coloca-la em prática. Um outro aspecto característico é a simplicidade de vida. O Papa conduz uma vida austera, longe da exterioridade e do triunfalismo: eu, como jesuíta, encontro isso muito familiar.

A eleição de Francisco mudou radicalmente a atitude dos meios de comunicação com o papado. Qual é o segredo da sua eficácia e capacidade de se comunicar com as pessoas que conquista também a mídia?

Padre Lombardi: Houve uma mudança de linguagem que não tem a ver só com as palavras mas também com os gestos e os comportamentos. Papa Francisco consegue tocar o coração das pessoas e, de certa forma, supera as distâncias e barreiras. O coração desta nova linguagem é o anúncio do amor de Deus por todos, o tema da misericórdia e do perdão para todos. Enquanto antes nos meios de comunicação se difundia o preconceito segundo o qual a Igreja falava sempre “não”, e não estava próxima das pessoas. Papa Francisco conseguiu dar a entender esta diversa leitura da mensagem de Deus e da relação da Igreja com as pessoas.

Que tipo de “problemas” cria ao diretor da Sala de Imprensa Vaticana um Papa que fala muito de improviso, que concede as entrevistas a qualquer um, que privadamente se comunica por telefone com tantas pessoas?

Padre Lombardi: Cria problemas semelhantes aos da polícia quando o Papa quer ficar em contato com as pessoas e rejeita um carro blindado. Nós estamos a serviço do Papa, aprendemos o seu estilo, a sua maneira de ser e de comunicar. Eu tenho que descobrir como posso contribuir para a sua comunicação. Quando o Papa fala, dá entrevistas, comunicando-se diretamente , não tenho nada a dizer ou acrescentar; falo somente quando surge algum problema que precisa ser esclarecido.

Já passou um ano do seu pontificado e Francisco já é o Homem do Ano para a revista “Time”. Como se pode comentar essa escolha?

Padre Lombardi: O Papa não é uma pessoa que procura sucesso ou popularidade. Em certa ocasião disse para umas pessoas que o aclamavam: “Não falem ‘Viva o Papa!’, falem ‘Viva Jesus!”. Ao mesmo tempo o Papa pode aceitar ser o Homem do Ano de “Time”. Se a escolha da revista quer dizer dar a conhecer o objetivo da missão da Igreja e a sua mensagem que Francisco transmite, que assim seja, caso contrário, o Papa certamente não se importa com essas coisas.

Você gostaria de dar algumas dicas para os jornalistas, a fim de que se melhore o trabalho de comunicação especialmente no que diz respeito ao Papa, a Cúria e a Igreja em geral?

Padre Lombardi: O que muitas vezes falta aos jornalistas é acolher a intenção da missão da Igreja e do Papa. Muitas vezes a leitura dos acontecimentos é feita com chaves de interpretações estranhas à realidade da Igreja, por exemplo, em chave política ou econômica. Portanto, a Igreja é vista apenas como luta de poder e interesses econômicos de parte. Esta era a situação dramática dos tempos do Vatileaks. Para ter uma correta leitura, também para os não-crentes, é necessário compreender os motivos e as intenções que estão por detrás das ações e das medidas da Igreja. Por exemplo, na luta que a Igreja trava contra os abusos sexuais, muitos vêem apenas uma maneira de se defender dos ataques. Em vez disso, é um processo de coerência evangélica, de renovação interior, de purificação.

Neste contexto, muitos repórteres olham para a reforma da Cúria apenas como uma renovação de natureza política. O que se pode dizer sobre isso?

Padre Lombardi: O Papa conseguiu fazer entender que a Igreja existe para dizer às pessoas que são amadas. Por isso a reforma da Cúria é secundária: serve à Igreja para  proclamar melhor a mensagem do evangelho, não só no Vaticano, mas nas dioceses e nos subúrbios. As estruturas centrais não existem para dominar, mas para servir e ajudar: a reforma visa isso.

(Trad. TS)

(Zenit)

Cerca de 180 cardeais participarão a partir de amanhã no primeiro Consistório do Papa Francisco

Foto Grupo ACI

VATICANO, 19 Fev. 14 / 01:55 pm (ACI/Europa Press).- Cerca de 180 cardeaisparticiparão a partir desta quinta-feira, 20 de fevereiro, no primeiro consistório do Papa Francisco, no qual criará, no sábado, 22 de fevereiro, a 19 novos cardeais, entre eles o arcebispo do Rio de Janeiro, Dom Orani João Tempesta.

O diretor do Escritório de Imprensa do Vaticano, o Padre Federico Lombardi precisou que as reuniões acontecerão na sala nova do Sínodo. Sobre o procedimento, o porta-voz do Vaticano explicou que começará com a celebração da ‘Hora Terça’, e com a saudação do decano do Colégio Cardenalício, o Cardeal Angelo Amato.

O tema principal deste consistório é a família e a pastoral familiar. O presidente emérito do Pontifício Conselho para a Promoção da Unidade dos Cristãos, cardeal Walter Kasper, fará uma introdução dedicada à pastoral familiar e depois acontecerão as intervenções livres dos cardeais. Em relação à introdução do Cardeal Kasper, o Pe. Lombardi especificou que não se fará pública.

As visitas de cortesia previstas para sábado de tarde, depois da celebração às 11h da manhã do consistório para a criação dos novos cardeais na Basílica Vaticano, acontecerão em sua maioria na Sala Paulo VI.

O porta-voz do Vaticano destacou que o consistório “não tem nenhum tipo de poder decisivo”, mas se trata de uma assembleia na qual os cardeais manifestam livremente e sem ordem prévia seu pensamento.

O Pe. Lombardi destacou sua “importância” para o Pontífice e para o Colégio Cardenalício “porque se dão conta da atmosfera e do pensamento que há”.

(http://www.acidigital.com/noticia.php?id=26726)

O Papa celebrará o seu primeiro consistório extraordinário dedicado à família

Nos dias 20 e 21 de Fevereiro reúnem-se todos os cardeais em Roma

Por Rocio Lancho García

ROMA, 17 de Fevereiro de 2014 (Zenit.org) – Nesta segunda-feira, 17 fevereiro, começa o que serão dez dias intensos de trabalho no Vaticano. Começou hoje com o encontro do Santo Padre com o Conselho dos Cardeais (conhecido como C8), e passará por um consistório extraordinário, um consistório para a criação de novos cardeais e terminará com a reunião da Secretaria Geral do Sínodo dos bispos.

Na quinta-feira, 20 de fevereiro a partir das 9h30 na Sala Nova do Sínodo, será o consistório extraordinário dos cardeais, que está dedicado à família. Como explicou esta manhã o padre Federico Lombardi, porta-voz do Vaticano, em uma coletiva para os repórteres, os trabalhos serão abertos com a saudação do decano do Colégio Cardinalício, o cardeal Angelo Sodano, e o discurso introndutório será dado pelo cardeal Walter Kasper. Os participantes reúnem-se pela manhã das 9h30 às 12h30 e à tarde das 16h30 às 19h30. O encontro termina na sexta-feira.

No dia 22 de fevereiro, sábado, se celebrará na Praça de São Pedro o consistório durante o qual o Papa criará 16 novos cardeais. No domingo (23), o Santo Padre celebrará a missa com os novos purpurados. Em seguida, segunda-feira (24) e terça-feira (25) acontecerá uma reunião da Secretaria do Sínodo e do Conselho dos Quinze – instituído por João Paulo II e responsável do balanço geral consolidado da Santa Sé e do Governatorato do Estado da Cidade do Vaticano.

Conforme especificado no Código de Direito Canônico, no cânon 353, “todos os cardeais ajudam colegialmente o Pastor supremo da Igreja, especialmente nos Consistórios, onde se reúnem por mandato do Romano Pontífice e sob a sua presidência; Os Consistórios são ordinários ou extraordinários”.

É preciso diferenciar. Por um lado está o “consistório ordinário”, que “se convoca pelo menos todos os cardeais presentes na Cidade Eterna para consultar-lhes sobre alguns problemas sérios, mas que são mais comuns, ou para realizar certos atos de máxima solenidade”.

Depois, há o “Consistório extraordinário”, que se celebra “quando o aconselham necessidades especiais da Igreja ou a gravidade dos assuntos que devem ser tratados, convoca-se todos os Cardeais”. Finalmente, estabelece-se que “somente o Consistório ordinário em que se celebram certas solenidade pode ser público, ou seja, quando, além dos Cardeais, são admitidos Prelados, representantes diplomáticos das sociedades civis e outros convidados para o evento”.

O último consistório extraordinário aconteceu em fevereiro de 2012, quando Bento XVI dedicou este encontro para a nova Evangelização.

(Trad.TS)

(Zenit)

Santuário de Fátima reedita primeiro volume da Documentação Crítica de Fátima

Projeto de investigação crítica das fontes documentais e informativas relacionadas com as aparições de 1917 em Fátima, iniciado em 1992

FáTIMA, 03 de Dezembro de 2013 (Zenit.org) – Na abertura do novo ano pastoral, a 30 de novembro, o Santuário de Fátima apresentou o mais recente trabalho editorial: a reedição do primeiro volume da Documentação Crítica de Fátima (DCF), projeto de investigação crítica das fontes documentais e informativas relacionadas com as aparições de 1917 em Fátima, iniciado em 1992. Sem documentos novos relativamente à primeira edição, esta reedição surge porque o primeiro volume há muito que se encontrava esgotado.

Publicamos a seguir a apresentação do Padre Luciano Coelho Cristino, capelão do Santuário de Fátima, sobre a reedição da DCF.

 O projeto da Documentação Crítica de Fátima (DCF), para a edição científica dos documentos relacionados com os acontecimentos da Cova da Iria, Fátima, em 1917, com a evolução do Santuário naquele lugar e com a expansão da mensagem, em Portugal e no estrangeiro, começou a concretizar-se, em agosto de 1992, com a edição do primeiro volume, dedicado aos Interrogatórios aos videntes (1917-1919).

 O segundo volume, dedicado ao Processo canónico diocesano (1922-1930), foi editado em 1999. Seguiram-se, entre 2002 e 2013, mais três volumes, com os documentos por ordem cronológica, correspondentes a três períodos: das aparições ao processo canónico diocesano, 1917-1922; do início do processo canónico diocesano à criação da capelania, 1922-1927; da criação da capelania à carta pastoral de D. José, 1927-1930, distribuídos por 12 tomos. Em toda a obra (15 tomos), foram editados 3 811 documentos, em 8 217 páginas.

 Em maio deste ano de 2013, foi editado um tomo, intitulado Seleção de Documentos, com 139 documentos mais significativos, de 1917 a 1930. A partir da edição portuguesa desta Seleção, está a proceder-se já à tradução para inglês e italiano.

Esgotado o primeiro volume, sai agora a público a segunda edição, com os interrogatórios que o pároco de Fátima, o Dr. Formigão, o Dr. Carlos Mendes, o Administrador do concelho, o P. Santos Alves, o P. Lacerda e Joaquim Gregório Tavares, fizeram aos videntes e a outras pessoas, em 1917. São publicados, também, o processo paroquial de Fátima e os inquéritos vicariais de Porto de Mós e de Ourém, sobre o dia 13 de outubro de 1917, e uma descrição da igreja paroquial. Ao todo, são 59 documentos.

 Em relação à edição de 1992, não surgiram documentos novos. Fez-se nova leitura dos documentos e corrigiram-se os lapsos da primeira edição. Na transcrição dos documentos, é respeitada a ortografia dos autores, mesmo quando estes usam formas diferentes para a mesma palavra. A Reitoria do Santuário de Fátima, ouvido o Conselho de Diretores de Serviço, decidiu, desde 1 de janeiro de 2012, adotar o novo “Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa de 1990”, em todas as edições da sua responsabilidade. Por isso, as introduções, normas de edição, siglas, abreviaturas, sumários, aparato crítico, notas e os índices deste volume seguem o referido acordo.

Documentação Crítica de Fátima – Interrogatórios aos videntes (1917-1919). 2.ª edição, Fátima: Santuário de Fátima, 2013, 413 páginas, 15 Euros.

P. Luciano Coelho Cristino

Serviço de Estudos e Difusão (SESDI)

(Fonte: Agência Zenit)