Angelus do Papa: “a Igreja não é um refúgio para pessoas tristes”

Cidade do Vaticano (Segunda-feira, 16-12-2013, Gaudium Press) No Angelus deste domingo, 15, em vista da proximidade do Natal, o Papa Francisco afirmou que “a Igreja não é um refúgio para pessoas tristes”, pois “a Igreja é a casa da alegria”.

papa_francisco_angelus_msn.jpg

O Santo Padre saudou de forma particular as crianças, que seguravam nas mãos imagens de presépio do Menino Jesus, pedindo para que o Pontífice as abençoassem.

De acordo com o Papa, neste domingo “Gaudete”, considerado um domingo de alegria, nos alegramos “porque o Senhor está próximo”, pois a mensagem cristã é a boa notícia “para o povo inteiro”.

Para o Santo Padre, “a alegria do Evangelho não é uma alegria qualquer. Encontra a sua razão no saber-se acolhidos e amados por Deus”, que “vem nos salvar e presta socorro especialmente aos que têm o coração desanimado”.

“A sua vinda ao nosso meio nos revigora, torna-nos firmes, dá-nos coragem e faz-nos exultar e florescer o deserto e o descampado, ou seja, a nossa vida quando se torna árida. E quando se torna árida? Quando se encontra sem a água da Palavra de Deus e do seu Espírito de amor”, explicou.

O Papa alertou também os fiéis que “não nos é permitido ser fracos e vacilantes diante das dificuldades e de nossas próprias fraquezas”, pois somos convidados a revigorar as mãos, a robustecer os joelhos, a ter coragem e não temer.

“Deus mostra sempre a grandeza da sua misericórdia”.

Ainda segundo o Pontífice, Deus nos espera e está sempre conosco, pelo fato de Ele nos amar e ser misericordioso, perdoando e dando força para começarmos tudo de novo. “Somos capazes de reabrir os olhos, superar a tristeza e o pranto e entoar um canto novo”.

A “alegria verdadeira”, conforme o Papa, “permanece também na provação e também no sofrimento”, “porque não é uma alegria superficial”, que “cala no profundo da pessoa que se entrega a Deus e confia n’Ele”.

“Por isso, quando um cristão se torna triste, significa que se distanciou de Jesus. Então não podemos deixá-lo sozinho. Devemos rezar por ele e fazer-lhe sentir o calor da comunidade”, disse.

No final, o Papa Francisco evocou Nossa Senhora, a fim de que “obtenha para nós viver a alegria do Evangelho na família, no trabalho, na paróquia e em todo ambiente”, “uma alegria íntima, feita de estupor e ternura”. (LMI)

(http://www.gaudiumpress.org/content/53944#ixzz2njAt4pq3)

45 jovens da JMJ Rio 2013 pedem refúgio

RIO DE JANEIRO, 26 Ago. 13 / 02:00 pm (ACI/EWTN Noticias).- Cinco peregrinos que participaram da Jornada Mundial da Juventude (JMJ) no Rio de Janeiro, presidida pelo Papa Francisco, pediram às autoridades do Brasil que sejam considerados como “refugiados”, confirmou o Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR).

Os jovens chegados do Paquistão, Serra Leoa e República Democrática do Congo elevaram esta solicitude alegando que em seus países sofrem “perseguição” e “ameaças” por professar a fé católica.

Segundo ACNUR, a arquidiocese do Rio de Janeiro recebeu 40 solicitações para intermediar nos processos de refúgio e a arquidiocese de São Paulo outras cinco.

Os pedidos deverão ser analisados agora pelo Comitê Nacional de Refugiados (CONARE), organismo dependente do Ministério de Justiça do Brasil.

Os jovens são “assistidos, alojados e alimentados” de forma provisória por voluntários católicos e autoridades municipais.

(Fonte: ACI Digital)