Violência na Ucrânia: Igrejas cristãs se transformam em hospitais clandestinos

Dom Sviatoslav Shevchuk

Roma, 27 Fev. 14 / 02:29 pm (ACI/EWTN Noticias).- As Igrejas cristãs de Kiev (Ucrânia) converteram-se nas últimas semanas em hospitais clandestinos, conforme informou o Arcebispo Mor de Kyiv-Halych, Dom Sviatoslav Shevchuk, os templos abriram suas portas aos manifestantes do movimento Maidan e inventaram um sistema de translado clandestino de feridos, por temor às represálias do governo.

Dom Shevchuk, que preside a Igreja Grego-Católica neste país, explicou em 25 de fevereiro na sede da Rádio Vaticana em Roma, que as diferentes confissões cristãs do país superaram suas diferenças e se uniram para assistir o movimento Maidan, gravemente atacado pelo exército ucraniano, ao qual se referem como “o corpo sofredor de Cristo”.

As Igrejas “têm sido mediadoras de paz e, como boa Mãe, a Igreja fez todo o possível para salvar os seus filhos, para cobri-los com seu manto e salvar suas vidas”, afirmou Dom Shevchuk.

“Quando a situação se agravou de maneira dramática, o governo atirava, e lançava granadas. Havia tantos feridos que chegou um momento no qual não se podiam transportar a todos e tivemos que converter a Catedral Católica de Kiev em uma sala operatória, justo diante do altar, onde se celebra aEucaristia”.

“Nossas catedrais se converteram em hospitais clandestinos. Nestes dias realmente frios, com uma temperatura de menos 20 °C abaixo de zero, as pessoas com pneumonia e outras doenças, queriam acabar com a corrupção, e só encontraram resguardo em uma igreja luterana próxima ao edifício da administração do ex-presidente Viktor Yanukovich”.

“Ali, sobre o altar, os médicos e voluntários realizaram operações para salvar vidas. Depois, digamos que houve um traslado clandestino de feridos para levar a estes feridos de batalha, sempre com o medo de que no processo alguém nos perseguisse e fizesse represálias”.

Dom Shevchuk disse que os feridos ucranianos tinham medo de ir aos hospitais estatais porque o governo decretou que os médicos tinham o dever de denunciá-los como criminais.

Além disso, expressou que poderia compartilhar “milhares de histórias de perseguição”, por exemplo, em uma delas “um jovem de 20 anos que tinha perdido um olho teve que pular do segundo andar de um hospital para fugir da polícia”.

Torturas e sequestros

Por outro lado, Dom Shevchuk denunciou que desde finais de janeiro existe um novo fenômeno nas ruas de Kiev, no qual um grupo de desconhecidos sequestra os manifestantes para torturá-los e abandonar seus cadáveres nos bosques próximos à capital.

“Aqueles que sobreviveram –disse Dom Shevchuk-, asseguraram que falavam russo com um sotaque diferente ao do território ucraniano e a pergunta principal que lhes fazem é: ‘Quem está pagando vocês?’”. “Estes não entendem que ninguém nos paga. A nossa própria consciência é o que nos move”, declararam as vítimas.

Quanto ao pretexto do governo para limpar a praça de “terroristas” na noite entre os dias 18 e 19 de fevereiro, Dom Shevchuk, explicou que antes de ir para lá, os manifestantes formaram longas filas para receber o sacramento da confissão “antes da morte”.

“Estavam dispostos a morrer e a ir às barricadas por defender seus valores. E eu me pergunto, mas este é o comportamento de um terrorista? Aposto que não, porque ninguém foi confessar-se com armas”.

Na quinta-feira passada, 22 de fevereiro, o governo assassinou a mais de 75 pessoas.

A crise ucraniana

Até o momento os conflitos causaram a morte de mais de 100 pessoas, centenas de feridos e se denunciaram dezenas de desaparecimentos.

A União Europeia reconheceu nos últimos dias a Alexander Turchinov, novo presidente interino ao ser eleito ontem legitimamente pelo Parlamento ucraniano, enquanto que o presidente russo, Dimitri Medvedev, disse que a chegada ao poder das novas autoridades da ex-república
soviética foi resultado de uma “insurreição armada”.

Segundo a autoridade eclesiástica, o movimento Maidan se desvincula de qualquer partido político ou divisão entre cidadãos, está formado por todos os estratos sociais, inclui em suas reivindicações a identidade cristã como símbolo de sua cultura europeia e pede ao governo o fim da corrupção e a volta da democracia.

Atualmente na Ucrânia “vivemos um período de escuridão, porque ninguém sabe como vai terminar isto, mas por outro lado um período de esperança, porque Maidan se converteu de verdade em um fermento que tem feito fermentar toda a sociedade ucraniana”, concluiu Dom Shevchuk.

Dom Shevchuk retornou no dia 26 de fevereiro à capital ucraniana, durante a sua estadia em Roma agradeceu ao Papa Francisco pelo seu chamado à paz, e anunciou que durante o próximo mês de março se reunirá em audiência privada com o Santo Padre no Vaticano.

(http://www.acidigital.com/noticia.php?id=26774)

Doce consolo no desamparo

A Mãe do Verbo Divino está sempre do nosso lado, tanto nos momentos de resplendente felicidade, como nas ocasiões em que aparentemente a luz nos abandonou.deserto2.jpg

Convido-o por alguns momentos, caro leitor, a abstrairmos do ambiente que nos circunda e irmos juntos acompanhar um viajante perdido à noite, no deserto.

Longe de qualquer penumbra de luz elétrica ou natural, segue ele afanosamente o caminho indicado pela bússola. Já sem alimento, a única reserva que possui em seu cantil é um gole de água quente, que o Sol não ignorou durante o dia. Até o ponteiro do seu relógio parou de funcionar! E quanto mais ele obedece ao rumo marcado pela agulha, mais lhe parece estar aquele instrumento desnorteado.

Sumido no negrume triste e ameaçador, o que não temer? Nosso viajante para por um instante, procurando cobrar alento e não perder a calma.

De súbito, o vento sopra, as nuvens se abrem e surge a Lua, rainha da noite. A alma inquieta do viajante se amaina e seu espírito recobra a tranquilidade, pois o espargir da luz que há pouco vira nascer faz claro o caminho e lhe dá segurança.

* * *

Doce consolo na desolação da noite foi esse belo astro, louvado sem cessar pelos poetas e cultuado por muitos povos da Antiguidade. Porém, entre tantas predileções, nada o enaltece mais do que simbolizar a Virgem Santíssima, formosa como a Lua, que guia os peregrinos neste vale de lágrimas rumo ao Sol de Justiça que A ilumina.

Precedendo Nosso Senhor Jesus Cristo, quis o Pai que outra luz prenunciasse o dia da salvação. E assim como a claridade da Lua prepara os olhos dos homens para poderem fitar o fulgor do Sol, surgiu Maria, na noite dos tempos, rasgando as trevas do pecado e anunciando o resplendor da graça que em breve ia reinar no meio de nós.deserto_1.jpg

Mãe do Verbo Divino e Mãe nossa, Ela nos acompanha sempre, tanto nos momentos de radiante felicidade, como nas ocasiões em que aparentemente a luz nos abandonou. E ainda que o céu se apresente coberto por negras nuvens, anunciando provações e desastres, esta boníssima Mãe não deixa de permanecer ao nosso lado, afável, indulgente e serena, perpetuamente propensa a nos ajudar.

Saibamos viver à procura dessa claridade que torna doces os percursos mais áridos. Nas noites obscuras, jamais nos permitamos um sentimento de desconfiança para com Ela, mas vivamos, pelo contrário, em busca dessa luz prenunciadora do Sol rutilante que logo vai nascer. E saibamos a Ela recorrer, dizendo:

“Ó minha Mãe, Medianeira de todas as graças, na vossa luz veremos a luz. Mãe, antes ficar cego do que deixar de ver vossa luz, porque

vê-la é viver. Na sua claridade contemplaremos todas as luzes; e sem ela nenhuma luz refulge. Não considerarei vida os momentos em que ela não brilhar; e eu, da vida, não quererei ter mais nada do que a mente banhada por essa luz.

“Ó luz!, eu vos seguirei custe o que custar: pelos vales, montes, desertos, e ilhas; pelas torturas, pelos abandonos e olvidos; pelas perseguições e tentações, pelos infortúnios, pelas alegrias e triunfos. Eu vos seguirei de tal maneira que, mesmo no fastígio da glória, não me incomodarei com ela, porque só me preocuparei convosco.

“Eu vos vi, e até o Céu não desejarei outra coisa, porque, uma vez, vos contemplei!”. 1

Por Fahima Spielmann

……………………..

1CORRÊA DE OLIVEIRA, Plinio. Na vossa Luz veremos a luz. In: Dr. Plinio. São Paulo, Ano VII, N.80 (Nov. 2004); p.36.
(In: Revista Arautos do Evangelho n.137. maio 2013)

(http://www.gaudiumpress.org/content/55780)

Suicídio: a definição em três pontos

Para o Glossário de Bioética, o suicídio é o ato de matar a si próprio. Quando o ato de provocar a própria morte é realizado através de um terceiro, com a aprovação do sujeito, tem-se o suicídio assistido.

Por Carlo Bellieni

ROMA, 11 de Fevereiro de 2014 (Zenit.org) – O suicídio é o assassinato de si mesmo, um ato cuja relação com a solidão é geralmente muito estreita, a ponto de lançar dúvidas sobre a verdadeira liberdade de escolha de quem o comete. O suicídio assistido é o ato de provocar a própria morte através de um terceiro, com a aprovação do sujeito.

Realismo

É o ato de dar fim voluntariamente à própria vida. Em caso de não ser possível fazê-lo ativamente e por isso apelar-se para a ação de outro, temos o suicídio assistido. O suicídio pode ser cometido ativamente, mediante fármacos ou armas ou com intervenções lesivas de vários tipos, ou passivamente, removendo-se os instrumentos necessários para a salvação da vida. O suicídio foi condenado pela cultura ao longo dos séculos. Hoje, uma corrente pós-moderna o considera um ato de livre escolha e, por isso, digno de respeito. Com frequência, quem recorre ao suicídio está em situação de abandono ou depressão; mais raramente, em situação de sofrimento físico ou de doença terminal. O suicídio, especialmente quando muito alardeado pela mídia, acaba se tornando “contagioso” e sugestionando outros a cometê-lo.

A razão

Quem e por que recorre ao suicídio? Um estudo canadense mostra que, entre os enfermos que solicitam a morte, é alto o índice de pessoas deprimidas. Mas a depressão é tratável: assim sendo, a lei sobre a eutanásia não acabaria deixando de proteger os pacientes cujas escolhas são influenciadas pela própria depressão? Dos idosos deprimidos, de acordo com estudos, apenas 10% são encaminhados a especialistas, contra 50% dos jovens deprimidos. Não deve surpreender, portanto, que alguns deles peçam para morrer.

Como pretender a liberdade de suicidar-se no hospital ao mesmo tempo em que se lamenta o suicídio de quem se atira de uma ponte? É um paradoxo que compromete qualquer suposta liberalização: quem aprova o primeiro suicídio e desaprova o segundo nunca explicou quem está autorizado a decidir quais são as pessoas dignas do suicídio e quais não são. Se o suicídio é liberdade, por que preocupar-se com a sua propagação? Com que base admitir ou excluir uma pessoa do suicídio autorizado por lei? Tanto faria, afinal, aprovar todos os suicídios, mesmo o do adolescente que perde a namorada ou o da garota que vai mal na universidade. Quem é o juiz laico do coração dos outros? A tragédia é que, em nome da solidão elevada a suprema corte e poeticamente chamada de “autonomia”, ninguém mais estará autorizado a salvar o suicida, pois qualquer interferência seria ilegal: a decisão do suicida, afinal, é seu direito. No panorama atual, podemos esperar que aquele que salva um suicida, em vez de receber um prêmio, seja denunciado.

O sentimento

O suicídio é um grito de socorro que exige uma resposta. É urgente melhorar o atendimento para todos, especialmente para as pessoas com deficiências mentais, para as pessoas abandonadas e para as vítimas da angústia. E é urgente parar de dizer que tudo o que decidimos em nossa solidão é uma decisão correta. É muito fácil para o Estado liberar o suicídio, livrando-se da sua responsabilidade e da sua obrigação à solidariedade.

(Fonte: Agência Zenit)

Nossa Senhora de Lourdes, rogai por nós!

Nossa Senhora de Lourdes
“Cristo morreu por todos a fim de que aqueles que vivem, não vivam mais para si, mas por Aquele que morreu e ressuscitou por eles” 2Cor 5,15

Hoje, o mundo inteiro venera Nossa Senhora, sob o título de Nossa Senhora de Lourdes. Lembramos o que se chama “aparição de Nossa Senhora”, ou aparições que se repetiram de 11 de Fevereiro até 16 de Julho.
O grande teólogo e pesquisador de Lourdes, o Padre Laurentin, examinou as 14 aparições centrais e as mensagens sobre Nossa Senhora, “toda cheia de graça e concebida sem pecado original”, pelos méritos de Cristo.
O hino “Louvando Maria” ressoa em quase todas as peregrinações do mundo, atraindo pessoas que queiram levar, como Nossa Senhora, Cristo aos homens.

Louvando Maria o povo fiel A voz repetia de São Gabriel Ave,ave, ave Maria Ave,ave, ave Maria Um anjo descendo num raio de luz Feliz, Bernadete à fonte conduz Ave,ave, ave Maria Ave,ave, ave Maria Vestida de branco da glória desceu Trazendo na cinta as cores do céu Ave,ave, ave Maria Ave,ave, ave Maria Mostrando o rosário na cândida mão Ensina o caminho da santa oração.
Nossa Senhora de Lourdes, rogai por nós!
(Tradução livre de Maria do Rosário)

Perito em câncer deixa sem argumentos na rede de televisão CNN aqueles que apoiam a eutanásia

ATLANTA, 27 Jan. 14 / 06:00 pm (ACI/EWTN Noticias).- O Dr. Luis Ráez, diretor médico do Memorial Cancer Institute e ganhador do Prêmio ao Desenvolvimento da Carreira da Sociedade Americana de Oncologia Clínica, refutou os promotores da eutanásia no programa Cala na CNN em Espanhol, deixando claro que esta prática é o assassinato de um ser humano e isto é contrário à profissão médica.

“A eutanásia é quando alguém ativamente mata uma pessoa, pode ser desconectando um respirador ou injetando-lhe algo. Parece-se um pouco ao suicídio assistido, que é quando alguém dá para a pessoa um remédio para que se suicide”, indicou.

Ráez precisou que “quando falamos de eutanásia ou de suicídio assistido, estamos falando de pessoas vivas, mas com pessoas que as querem matar”.

Defendendo a eutanásia, Alfonso Ramírez participou do programa o autodenominado “tanatólogo e terapeuta”, e assegurou que seu ofício consiste em ajudar “as pessoas a bem morrer”.

“Este é um aspecto 100 por cento humanitário e de empatia pelos seres humanos. Ajudá-lo a bem morrer, justo como o conceito da eutanásia. Isto é a eutanásia, ajudar a bem morrer, eu estou a favor da eutanásia”, assegurou Ramírez.

O tanatólogo reconheceu que “nós não somos médicos”, para logo acrescentar que “somos médicos, mas de almas”.

“Nós apoiamos desde o ponto de vista psicológico, emocional que é tão importante e familiar”.

Por sua parte, o Dr. Luis Ráez assinalou que “eu sou oncologista e pesquisador, dediquei minha vida inteira a pesquisar remédios para lutar contra o câncer, para mim não tem nenhum sentido matar pessoas”.

Embora tenha reconhecido que existem quatro países no mundo onde “se pode matar os pacientes”, Ráez assinalou que “para mim, que sou oncologista, não há uma sociedade americana que esteja a favor da eutanásia. Para nós a eutanásia é um assassinato, o assassinato do ser humano, e é irreversível, não se pode de repente mudar de ideia e no futuro já não fazer a eutanásia”.

(http://www.acidigital.com/noticia.php?id=26614)

Milagres!

Juliana de Norwich (1342-depois de 1416), mística inglesa
Revelações do amor divino, cap. 36

«Todos os que sofriam de enfermidades caíam sobre Ele para Lhe tocarem»

Durante toda a nossa vida, quando, na nossa loucura, voltamos o olhar para o que é reprovável, Nosso Senhor toca-nos com ternura e chama-nos com grande alegria, dizendo na nossa alma: «Deixa o que amas, minha querida criança. Volta-te para mim, Eu sou tudo o que tu queres. Rejubila no teu salvador e na tua salvação.» Tenho a certeza de que a alma, tornada perspicaz pela acção da graça, verá e sentirá que Nosso Senhor opera assim em nós. Porque se esta obra diz respeito à humanidade em geral, nenhum homem em particular está dela excluído. […]

Além disso, Deus iluminou a minha inteligência e mostrou-me como realiza os milagres: «É sabido que realizei aqui em baixo muitos milagres impressionantes e maravilhosos, gloriosos e magníficos. O que fiz então, faço-o ainda continuamente, e fá-lo-ei nos tempos vindouros». Sabemos que qualquer milagre é precedido de sofrimentos, angústias e tribulações. Isso acontece para que tomemos consciência da nossa fraqueza e dos erros que cometemos por causa do nosso pecado e, através disso, nos tornemos humildes e nos voltemos para Deus, implorando o seu auxílio e a sua graça. Os milagres surgem em seguida: provêm do poder, da sabedoria e da bondade de Deus, e revelam a sua força e as alegrias do céu, tanto quanto é possível conhecê-las nesta vida passageira. Assim, a nossa fé torna-se mais forte e a nossa esperança cresce no amor. Eis porque agrada a Deus ser conhecido e glorificado através dos milagres. Ele quer que não fiquemos acabrunhados pela tristeza e pelas tempestades que se abatem sobre nós; isto acontece sempre antes dos milagres!

A fé, uma força consoladora no sofrimento!

Papa Francisco
Encíclica «Lumen fidei / A luz da fé», §§ 56-57 (trad. © Libreria Editrice Vaticana, rev)

A fé, uma força consoladora no sofrimento

O cristão sabe que o sofrimento não pode ser eliminado, mas pode adquirir um sentido: pode tornar-se acto de amor, entrega nas mãos de Deus que não nos abandona e, deste modo, ser uma etapa de crescimento na fé e no amor. […] A luz da fé não nos faz esquecer os sofrimentos do mundo. Os que sofrem foram mediadores de luz para muitos homens e mulheres de fé; tal foi o leproso para São Francisco de Assis, ou os pobres para a Beata Teresa de Calcutá. Compreenderam o mistério que há neles; aproximando-se deles, certamente não cancelaram todos os seus sofrimentos, nem puderam explicar todo o mal. A fé não é luz que dissipa todas as nossas trevas, mas lâmpada que guia os nossos passos na noite, e isto basta para o caminho.

Ao homem que sofre, Deus não dá um raciocínio que explica tudo, mas oferece a sua resposta sob a forma duma presença que o acompanha, duma história de bem que se une a cada história de sofrimento para nela abrir uma brecha de luz. Em Cristo, o próprio Deus quis partilhar connosco esta estrada e oferecer-nos o seu olhar para nele vermos a luz. Cristo é Aquele que, tendo suportado a dor, Se tornou «autor e consumador da fé» (Heb 12, 2).

Adotar uma paróquia na Síria: iniciativa para aliviar o sofrimento dos crentes vítimas da violência

Qamishli – Síria (Segunda-feira, 13-01-2014, Gaudium PressUm sacerdote católico armênio lançou uma campanha na Internet para prover as necessidades apostólicas dos refugiados de comunidades em Aleppo e Deir al Zor, na Síria, regiões afetadas pelo conflito armado que irá completar três anos de duração no país. Sua iniciativa tomou o nome de “Adote uma paróquia na Síria” e foi difundida pela Agência Fides, o informativo oficial das Pontifícias Obras Missionárias.

paroquia_na_siria.jpg

O chamado foi realizado na Festa da Epifania do Senhor e envolve a oração dos crentes ao redor do mundo “para que na distância, como os Reis Magos, em breve possamos ver o resplendor da Paz”. O autor da ideia é o Padre Karnik Youssef Hovsepian, da Paróquia de São José, em Qamishli, e as ajudas serão coletadas pelo Secretario do Patriarcado Armênio Católico, o Padre Vartan Kikaros, residente no Líbano.

As ajudas coletadas beneficiarão de forma prioritária as crianças, especialmente vulneráveis no contexto da violência. “Tenho que fazer algo por elas”, afirmou à Fides o Padre Hovsepian, “porque as crianças são o rosto do Senhor e precisamente o Senhor nos aconselhou a nos aproximarmos delas”. Os pequenos recebem também alimentação pelo menos duas vezes por semana, e a Igreja organiza algumas ajudas para as famílias mais necessitadas.

Uma das necessidades descritas é o combustível para a calefação das escolas, calculado em cerca de 4 mil litros. Esta necessidade foi particularmente evidente na Síria com a incomum nevasca registrada no Oriente Médio em meados de dezembro e que afetou Israel, Jordânia, Líbano, o Norte da Síria e outros países da região. Os refugiados que se beneficiarão com esta campanha pontual se encontram na cidade de Jazira. (GPE/EPC)

(http://www.gaudiumpress.org/content/54755#ixzz2qNCu43Qg )

O que devemos fazer quando somos feridos?

tumblr_static_mulher_rezando_2Quando te sentires ferida por haver caído em algum pecado, seja por fraqueza, seja por malícia, não desanimes e nem te inquietes por isso. Dirige-te imediatamente a Deus dizendo: “Eis aqui, meu Senhor, comportei-me segundo a minha natureza, pois de mim não se pode esperar mais que tropeços”. Depois dedica um tempo a humilhar-te aos teus próprios olhos, lamenta a ofensa feita ao Senhor e considera tuas más inclinações, especialmente aquela que provocou a falta. E então diz: “Não teria parado por aqui, meu Senhor, se não fosse socorrida por tua bondade!”. Neste ponto dá-lhe muitas graças e ama-O com mais devoção, maravilhando-te por tão grande clemência, já que, mesmo ofendido por ti, Ele te sustenta com Sua poderosa mão.

Por fim, com grande confiança em sua infinita misericórdia, dirás: “Senhor, que és todo amor e perdão, perdoa-me, e não mais permitas que eu me separe de ti, nem te ofenda!”. Feito isso, não fiques imaginando se Deus te perdoou ou não, pois isso seria soberba, desassossego, perda de tempo e engano do demônio. Abandona-te simplesmente nas amorosas mãos de Deus e continua o teu exercício como se nunca tivesses caído. E se voltares a cair várias vezes ao longo do dia, e te sentires ferida no combate, faz o mesmo, com a mesma confiança, na segunda, na terceira e até na última como na primeira; e, humilhando-te cada vez mais e odiando cada vez mais o pecado, esforça-te para agir de maneira mais prudente.

Essa prática desagrada muito ao demônio, tanto por ver-se derrotado, quanto por saber que a tua vitória agrada muito a Deus. Por isso, ele usa de diversos truques para fazer-nos abandonar o bem, conseguindo-o às vezes pelo nosso descuido e pouca vigilância sobre nós mesmos; essa é a razão pela qual, quanto mais dificuldade encontrares nesse exercício, mais empenho deverás colocar em repeti-lo várias vezes, ainda que tenhas caído apenas uma vez.

E se, depois da queda, te sentes confusa, inquieta e desconfiada, a primeira coisa que deves fazer é recuperar a paz, a tranquilidade do coração e a confiança, e com estas armas recorrer à ajuda de Deus.

O modo de recuperar a paz é deixar de pensar na falta para considerar a bondade inefável de Deus, que está sempre totalmente disposto a perdoar qualquer pecado, por mais grave que seja, chamando o pecador de mil maneiras e por mil caminhos diferentes para santificá-lo com Sua graça nesta vida e fazê-lo eternamente feliz na glória eterna.

Uma vez que, com semelhantes considerações, tenhas tranquilizado o teu espírito, volta a pensar em tua falta, para dela te arrependeres. E, quando chegar o momento da confissão sacramental- que aconselho-te a praticar com frequência-, volta ao exame de tuas faltas e, com renovada dor e arrependimento pela ofensa a Deus e propósito de não voltar a ofendê-lO, relata ao confessor de tuas quedas.

(http://cleofas.com.br/o-que-devemos-fazer-quando-somos-feridos/)

Igreja no mundo: Um pobre […] jazia ao seu portão

Concílio Vaticano II
Constituição sobre a Igreja no mundo atual, «Gaudium et Spes», § 69

Um pobre […] jazia ao seu portão

Deus destinou a terra com tudo o que ela contém para uso de todos os homens e povos; de modo que os bens criados devem chegar equitativamente às mãos de todos, segundo a justiça, secundada pela caridade. Sejam quais forem as formas de propriedade, conforme as legítimas instituições dos povos e segundo as diferentes e mutáveis circunstâncias, deve-se sempre atender a este destino universal dos bens. Por esta razão, quem usa desses bens não deve considerar as coisas exteriores que legitimamente possui só como próprias, mas também como comuns, no sentido de que possam beneficiar não só a si mas também aos outros.

De resto, todos têm o direito de ter uma parte de bens suficiente para si e suas famílias. Assim pensaram os Padres e os Doutores da Igreja, ensinando que os homens têm obrigação de auxiliar os pobres e não apenas com os bens supérfluos. E aquele que se encontra em extrema necessidade tem direito de tomar, dos bens dos outros, o que necessita [Nota: Nesse caso vale o antigo principio: «na necessidade extrema, todas as coisas são comuns, isto é, todas as coisas devem ser tornadas comuns». […] É claro que, para a recta aplicação do princípio, devem ser respeitadas todas as condições moralmente exigidas.]. Sendo tão numerosos os que no mundo padecem fome, o sagrado Concílio insiste com todos, indivíduos e autoridades, para que, recordados daquela palavra dos Padres – «alimenta o que padece fome porque, se o não alimentaste, mataste-o» –, repartam realmente e distribuam os seus bens, procurando sobretudo prover esses indivíduos e povos daqueles auxílios que lhes permitam ajudar-se e desenvolver-se a si mesmos.

(Fonte: Concílio Vaticano II)

Sem chorar no coração não se pode entender o mistério da Cruz, diz o Papa

VATICANO, 16 Set. 13 (ACI/EWTN Noticias) .- Em sua homilia do sábado, 14 de setembro, Festa da Exaltação da Santa Cruz, na Capela da Casa Santa Marta, o Papa Francisco assegurou que “sem chorar, chorar no coração jamais se poderá compreender” o mistério da Cruz.

“Hoje olhamos para a Cruz, a história do homem e a história de Deus. Olhamos para esta cruz, onde se pode provar mel de aloe, o mel amargo, a doçura amarga do sacrifício de Jesus. Mas esse mistério é tão grande que por si só não podemos compreender bem este mistério, não tanto para entender – sim, entender … – mas experimentar profundamente a salvação deste mistério. Antes de tudo o mistério da Cruz”.

O Santo Padre assinalou que deste mistério “somente se pode entender um pouquinho, de joelhos, em oração, mas também através das lágrimas: são as lágrimas que nos aproximam deste mistério”.

“Sem chorar, chorar no coração – disse o Papa – não se poderá jamais entender esse mistério”. É o choro do arrependimento, o choro do irmão e da irmã que olham para tantas misérias humanas e as veem em Jesus, mas ‘de joelhos e chorando’ e ‘nunca sozinhos, nunca sozinhos!’”.

Francisco assinalou que “sem chorar, chorar no coração jamais se poderá compreender este mistério”.

“É o choro do arrependimento, o choro do irmão e da irmã que olham para tantas misérias humanas” e as veem em Jesus, mas “de joelhos e chorando” e “nunca sozinhos, nunca sozinhos!”.

O Papa também fez uma comparação entre a árvore do Jardim do Éden e a árvore da Cruz.

“Aquela árvore tinha feito tanto mal, e esta árvore nos leva à salvação, à saúde. Perdoa aquele mal. Este é o caminho da história humana: um caminho para encontrar Jesus Cristo Redentor, que dá a sua vida por amor”.

O Santo Padre indicou que “Deus não enviou o seu Filho ao mundo para condenar o mundo, mas para que o mundo fosse salvo por Ele. Esta árvore da Cruz nos salva, todos nós, das consequências daquela outra árvore, onde teve início a autossuficiência, o orgulho, a soberba de querer conhecer, – nós -, tudo, de acordo com a nossa mentalidade, de acordo com os nossos critérios, também segundo a presunção de ser e de se tornar os únicos juízes do mundo. Esta é a história do homem: de uma árvore a outra árvore”.

Na Cruz também se encontra “a história de Deus”, disse o Papa, assinalando que “Ele quis assumir nossa história e caminhar conosco”.

“Deus faz este caminho por amor! Não há outra explicação: somente o amor faz essas coisas”.

O Papa assegurou que para entrar no mistério da Cruz, “que não é um labirinto, mas se assemelha um pouco, sempre temos necessidade da Mãe, da mão da Mãe”.

“Que Ela, Maria, nos faça experimentar quão grande e quão humilde é este mistério; tão doce como mel e tão amargo como o aloe. Que seja ela a nos acompanhar neste caminho, que nenhum outro pode fazê-lo além de nós mesmos. Cada um deve fazê-lo! Com a Mãe, chorando e de joelhos”, disse.

(Fonte: Agência Zenit)

A paciência na dor

pensandourl“A paciência produz uma obra perfeita”. Isso quer dizer que não existe coisa mais agradável a Deus do que sofrer com paciência e paz todas as cruzes por ele enviadas. É próprio do amor, fazer a pessoa que ama semelhante à pessoa amada. Dizia São Francisco de Sales: “Todas as chagas do Redentor são outras tantas palavras que nos ensinam como devemos sofrer por ele. Esta é a sabedoria dos santos, sofrer constantemente por Jesus; assim ficaremos logo santos”. Quem ama o Salvador deseja ser como Ele, pobre, sofredor e desprezado. São Joao viu todos os santos vestidos de branco, segurando palmas nas mãos. A palma é um símbolo de martírio; mas nem todos os santos foram martirizados. Por que então todos seguram palmas?

Responde São Gregório que todos os santos foram mártires ou pela espada ou pela paciência. E acrescenta: “Nós podemos ser mártires sem a espada, se guardarmos a paciência”.

O mérito de uma pessoa que ama Jesus Cristo consiste em amar e sofrer. Eis o que Deus fez Santa Teresa entender: “Pensa, minha filha, que o mérito consiste no gozar? Não, o mérito consiste em sofrer e amar. Veja minha vida cheia de dores. Acredite, minha filha, aquele que é mais amado por meu Pai recebe dele cruzes maiores; ao sofrimento corresponde o amor. Veja estas minhas chagas, as suas dores nunca chegarão a tanto. Pensar que meu Pai admite alguém na sua amizade sem o sofrimento é um absurdo…Mas acrescenta Santa Teresa: “Deus não manda nenhum sofrimento sem pagá-lo imediatamente com algum favor”.

São três as principais graças que Jesus faz às pessoas amadas por ele: a primeira, não pecar; a segunda, que é maior, o fazer boas obras; a terceira, que é a maior de todas, sofrer a por seu amor. Dizia Santa Teresa, que quando alguém faz algum bem a Deus, o Senhor lhe paga com alguma cruz. Eis porque os santos agradeciam a Deus ao receberem os sofrimentos.

São Luís, Rei da França, falando da escravidão que sofreu na Turquia, diz: “Eu me alegro e fico muito agradecido a Deus mais pela paciência que me concedeu na minha prisão do que se tivesse conquistado a terra inteira”. Sana Isabel, rainha da Hungria, tendo perdido seu esposo, foi expulsa do lugar onde morava com seu filho. Sem abrigo e abandonada por todos, dirigiu-se a um convento dos franciscanos e mandou cantar um hino de ação de graças a Deus pelo favor que ele lhe concedia ao fazê-la sofrer por seu amor.

São Afonso Maria de Ligório

LIGÓRIO, S. Afonso Maria. A prática do amor a Jesus Cristo. Trad. Pe.Gervásio Fábri dos Anjos, C.SS.R. Ed. Santuário: Aparecida/SP,1982,p.59-60.